Criança invade pista de carros na ciclofaixa

Luciana Magalhães

19 Novembro 2013 | 16h54

“CET deve se preocupar mais com a segurança dos usuários”, diz leitor

Por Luciana Magalhães

Reclamação do leitor: No dia 10/11 presenciei na Av. Indianópolis um acidente, que, por pouco, não terminou em tragédia. Uma menina de, aparentemente, 8 anos de idade pedalava com a família e se desequilibrou invadindo a pista em que eu passava com o carro. Um motociclista caiu ao desviar da criança. A mãe foi desesperada atrás da menina e, por pouco, não atropelei as duas. Parei de repente e, se eu não estivesse em velocidade baixa, elas teriam sido atingidas. Essas ciclofaixas são um atentado à segurança dos ciclistas, especialmente quando estão instaladas nas grandes avenidas. Olimpio de Melo Alvares Jr. / São Paulo

Resposta: A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) esclarece que as ciclofaixas operacionais de lazer são totalmente segregadas do tráfego geral por elementos de canalização como cones, cavaletes e super cones. Elas estão situadas no canteiro central ou à esquerda da via e têm sinalização vertical e horizontal, que regulamentam a circulação de ciclistas aos domingos e feriados nacionais, das 7 às 16 horas. Ressalta que em todas as vias das ciclofaixas há monitoramento e fiscalização de agentes de trânsito da CET. A velocidade máxima permitida nessas vias é reduzida para 40 km/h.

Réplica do leitor: Informo a CET que, como engenheiro e especialista em segurança veicular, que a colocação de grades, como é feito em alguns pouquíssimos pontos das ciclofaixas, é a melhor solução para, pelo menos, evitar que uma criança descuidada invada a pista de rolamento dos automóveis. A solução é simples e barata e a companhia pode naturalmente aplicá-la imediatamente. Além disso, quem paga são os anunciantes, que têm como obrigação primar pela segurança dos usuários expostos às suas propagandas ostensivas.