Contra resolução municipal, nova ponte é entregue sem ciclopassarelas

Contra resolução municipal, nova ponte é entregue sem ciclopassarelas

Duas ciclopassarelas que fariam a ligação da ciclovia da ponte Laguna com as do rio Pinheiros não foram construídas, contrariando resolução do Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – Cades.

Alex Gomes

05 Maio 2016 | 08h10

Nesta quarta feira, 4 de maio, foi inaugurada na região do Panamby a ponte Laguna, a primeira da cidade construída já com uma ciclovia. Os ciclistas podem acessá-la por meio de entradas próximas ao parque Burle Marx e à rua Luis Seraphico Júnior, na Chácara Santo Antônio.

foto alex 1

Entretanto, duas ciclopassarelas que faziam parte do projeto executivo da ponte não foram construídas, como mostram os destaques em vermelho na imagem abaixo, do projeto executivo da obra.

KMBT_C224-20160504125621

Essas estruturas seriam formadas por um conjunto de rampas que conectariam a ponte às duas ciclovias existentes nas margens do rio Pinheiros, de forma semelhante à ciclopassarela existente na ponte Cidade Universitária.

KMBT_C224-20160504125621

A entrega da ponte Laguna sem as ciclopassarelas também descumpre um acordo estabelecido entre a SPobras e o Conselho Gestor do Parque Burle Marx. Obrigatório para execução da obra, o acordo era uma condição determinada pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Cades), conforme a exigência n. 30 da resolução n. 155 de 2 de julho de 2013.

No acordo, estabelecido em uma carta enviada pelo Conselho Gestor do Parque ao superintendente de projetos da SPObras, João Leopoldo Werneck Camargo, em 23 de abril de 2013, foi determinado que o fator determinante para a aprovação do projeto seria a  “execução e entrega de alças de acesso à ciclovia das margens do rio Pinheiros pela SPObras”.

Carta Anuencia PBM Assinada-1

Questionada por este blog, a SPObras alega que os acessos serão construídos, porém, pelo fato de serem lindeiros ao rio, necessitarão de licenças da Cetesb e da Emae. A previsão do detalhamento do projeto das ciclopassarelas e obtenção das licenças é de 30 dias. Entretanto, o prazo de início e conclusão das obras não foi informado.

Sem dúvida, a construção desses acessos às ciclovias do rio Pinheiros é algo de suma importância não somente pela necessária integração cicloviária que proporcionariam como para facilitar o uso dessa ciclovias, restrito devido ao pequeno número de entradas existentes (6 na ciclovia do lado leste do rio e 3 na oeste). Apesar dos benefícios que a ponte Laguna proporcionará aos ciclistas, como uma alternativa ao trânsito agressivo da ponte João Dias e por apresentar uma das melhores ciclovias da cidade, sua entrega sem as ciclopassarelas é uma ação que vai na contramão da política de estímulo ao uso da bicicleta feita pela prefeitura de São Paulo.