Ciclistas fazem protesto em trecho da ciclovia da Berrini que cedeu sobre córrego

Ciclistas fazem protesto em trecho da ciclovia da Berrini que cedeu sobre córrego

Com o nome "Festa de aniversário do buraco da Berrini!", manifestação ocorrerá hoje, no local em que o piso cedeu.

Alex Gomes

06 de outubro de 2021 | 12h02

A lista de problemas para quem pedala em São Paulo ganhou um item inusitado: o risco de cair em um córrego enquanto passa pela ciclovia da avenida Luís Carlos Berrini, na zona sul da capital.

Há um mês, no dia 5 de setembro, uma chapa de metal que faz parte do piso da ciclovia se desprendeu e caiu no córrego que fica abaixo.  

Desde então, o buraco continua aberto e, por isso, ativistas fazem nesta quarta, 6, um protesto no local. Intitulada “Festa de aniversário do buraco da Berrini!”, a manifestação é convocada em redes sociais de grupos de ciclistas que pedalam pela região. 

“Os ciclistas estão em risco porque não tem por onde desviar do buraco em segurança. Eles improvisam, pedalando por um canteiro com menos de meio metro entre a ciclovia e um corredor de ônibus, ou no próprio corredor” afirma Thomas Wang, membro do Bike Zona Sul. “Não há desvio com cones para garantir a segurança para quem desvia e pedala nas pistas, nem sinalização para os motoristas alertando que há ciclistas na via por causa da interdição na ciclovia”.

O convite para a “festa” está no perfil do coletivo “Bike Zona Sul”, do Instagram. “Fizemos solicitações no SP156, enviamos a foto para o prefeito Ricardo Nunes e para o secretário Ricardo Teixeira –que até comentou o nosso post! – Mas até agora o buraco continua lá e os ciclistas continuam tendo que se virar!”.

Os ciclistas prometem levar bolo e doces e convidaram as duas autoridades municipais para o evento.

Em resposta a uma publicação do coletivo Bike Zona Sul feita logo após a queda da estrutura, o secretário de transportes Ricardo Teixeira afirmou que a subprefeitura da região e a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb) foram acionadas para os reparos. 

Entretanto, ainda não há sinal de obras. O local está isolado com cones e faixas, o que fez com que a circulação pela ciclovia ficasse interrompida.

A prefeitura foi contada pelo blog e não respondeu até o momento da publicação do post.

A manifestação ocorrerá às 18 horas, na altura do número 1.350, local do buraco “aniversariante”.

 

Atualização às 12h49: Em resposta as questões enviadas pelo blog, sobre as razões da queda da chapa, medidas e prazo para reparo e alternativas para a circulação dos ciclistas, a Secretaria Especial de Comunicação da prefeitura respondeu:

“A Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito e a Secretaria Municipal das Subprefeituras já vistoriaram o local para a realização dos reparos. O local permanece sinalizado.”

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.