Brasileira apresenta Paris com sua bicicleta

Brasileira apresenta Paris com sua bicicleta

Fernanda Hinke comanda o projeto 'Meia noite em Paris by bike'’, que levou milhares de brasileiros a pedalarem pela capital francesa

Alex Gomes

06 de fevereiro de 2019 | 12h14

Paris, conhecida mundialmente como a Cidade Luz, pretende ganhar em breve mais um título: o de capital mundial das bikes. Com a estimativa de 150 milhões de euros em investimentos, a capital francesa quer triplicar o número de viagens de bicicletas até 2020 para diminuir seus congestionamentos e combater os altos níveis de poluição.

Fernanda Hinke. Acervo pessoal

Para a prefeita Anne Hidalgo, entusiasta do projeto, “os picos de poluição nos provam que os carros não podem ter um lugar de destaque na metrópole mundial que é Paris”. Em paralelo às iniciativas do poder público, diversas organizações realizam atividades para estimular o uso da bicicleta na cidade.

Uma delas é comandada pela brasileira Fernanda Hinke. Seu grupo, o ‘Meia-Noite em Paris by bike’ atua há cinco anos dedicado ao cicloturismo na capital francesa. A equipe já acompanhou 6 mil brasileiros, dentre eles celebridades como as atrizes Fernanda Paes Leme e Luana Piovani.

O grupo realiza passeios noturnos às segundas e quintas-feiras, com aproximadamente três horas de duração, nos quais percorrem locais emblemáticos da cidade, como o Museu do Louvre e a catedral de Notre-Dame, além de ruelas, pontes e jardins pitorescos. As bicicletas e capacetes são fornecidos pelos organizadores e ciclistas experientes acompanham o comboio, dando auxílio a quem tem dificuldades no pedal. O ápice do pedal se dá à meia noite na base da Torre Eiffel, quando o monumento é iluminado por cinco minutos. A cena é contemplada com um brinde de champanhe.

Foto: Filipe Xavier

Das artes visuais para as pedaladas

Após trabalhar por dez anos com moda em Bauru, sua cidade natal, Fernanda decidiu mudar de carreira. Em 2010 foi para Toronto, no Canadá, onde criou um blog dedicado ao cotidiano e arte de rua. Foi aí que passou a utilizar a bicicleta no dia a dia, mudando seus hábitos de deslocamento: “no Brasil usava carro até pra ir na padaria”, comenta.

Em 2011, decidiu se mudar para Paris, porque enxergava ali um local ainda mais propício para abordar de arte de rua. Chegou ao velho continente e, para complementar a renda, começou a conduzir passeios a pé e de bicicleta. A iniciativa, criada de forma despretensiosa, caiu no gosto dos turistas e o número de interessados não parou de crescer, atraídos pela divulgação boca a boca.

O burburinho chamou a atenção do portal Conexão Paris, referência para brasileiros que viajam a cidade. Quando a plataforma publicou um texto sobre os passeios, a procura intensificou mais ainda. Com isso, a atividade que servia como um adendo ao orçamento de Fernanda passou a ser sua fonte de renda principal. Desde então, ela se dedica exclusivamente ao cicloturismo.

Foto: Filipe Xavier

Ciclistas de primeira viagem

Atualmente a maior parte dos interessados são turistas brasileiros – boa parte dos quais não usa a bicicleta em seu cotidiano no Brasil. “São motoristas de carro e sempre ficam muito impressionados com o bom comportamento dos condutores em Paris” conta Fernanda. Exatamente por ser esse o perfil, ela acredita no potencial transformador da atividade. “Acredito que colocá-los na posição de ciclistas, nem que seja durante uma viagem a Paris, faz com que aumente a sensibilidade e o respeito por quem está se locomovendo de bicicleta quando retornarem para o Brasil.”

Para 2019, Fernanda e sua equipe terão novidades, como passeios de bicicleta para crianças a partir dos 3 anos e cadeiras de rodas motorizadas scooter para permitir que cadeirantes também usufruam da experiência.

Serviço:

Meia-Noite em Paris By Bike

Preço: 75 euros

Duração do passeio: 3h

Reservas: https://meianoiteemparis.com.br/passeio/passeio-meia-noite-em-paris-by-bike

 

+++Confira aqui os outros posts do blog

+++Conheça os grupos de pedal de São Paulo

+++Confira imagens da cidade sob a ótica do ciclista

+++Vídeo rebate críticas às ciclovias de São Paulo