Lojas temporárias multiplicam-se em SP

Estadão

28 de outubro de 2009 | 19h27

Por Valéria França

As lojas temporárias, mais conhecidas como pop up, viraram uma febre no mercado paulistano. Usadas para aumentar pontos de venda de marcas consolidadas, além de apresentar e testar novas grifes e serviços, elas se multiplicam com a proximidade das festas de fim de ano. Há 15 dias, a Casa dos Criadores abriu seu primeiro ponto de venda num formato pop up, na Alameda Lorena esquina com a Rua Haddock Lobo, nos Jardins. Amanhã, será a vez da estilista Isabella Giobbi, que inaugura um espaço de 40 m², no Shopping Iguatemi, apesar de já contar com duas lojas convencionais na cidade, uma no Shopping Cidade Jardim e outra de Rua Gabriel Monteiro da Silva, nos Jardins.

Na semana que vem, sábado, 10, a Moët & Chandon embarca no movimento pop up, com uma espécie de ateliê temporário no Iguatemi. A ideia da marca é oferecer produtos diferenciados aos consumidores, inspirados num serviço VIP já existente. Personalidades internacionais como Sarah Jessica Parker, Marc Jacobs, Scarlett Johansson e Gisele Bündchen já foram presenteadas com garrafas de champanhes com seus nomes grifados no rótulo. Agora o mimo passa a ser extensivo a todos os clientes. A chamapanhe menor , a Moët Impérial 750ml, decorada com cristais Swarovski, e personalizada, sai por R$ 280. Os rótulos ficam prontos em 48 horas.

Quem estiver no Iguatemi pode aproveitar para dar uma passadinha no estacionamento do shopping, onde está o trailer de Luiza Setúbal, dona da Lool, loja itinerante que vende acessórios de designers consagrados, como Valério Araújo e Glorinha Paranaguá. Luiza já esteve nos arredores da Rua Oscar Freire. Em junho, seu trailer segue para Ribeirão Preto (SP), depois Rio e Brasília.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.