TCE anula edital da CPTM para máquinas de recarga de bilhete único
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

TCE anula edital da CPTM para máquinas de recarga de bilhete único

Órgão de controle mandou companhia fazer uma licitação para o serviço; CPTM diz que não a fez para agilizar o processo

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

20 Fevereiro 2017 | 16h41

GOVSP

Estação da Luz. Foto: Divulgação

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) decidiu anular um edital da CPTM para a instalação de máquinas de recarga do bilhete único nas estações de trem da Grande São Paulo. Para o tribunal, a companhia, administrada pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB), estava deixando de cumprir a lei de licitações.

A CPTM havia aberto um “chamamento público”, uma forma de contratação com o Estado em que os interessados se cadastram e, se preenchem os requisitos, começam a trabalhar. O TCE, entretanto, afirmou que essa forma de agir não seria regular. “Há unanimidade e profundos embasamentos nas manifestações dos autos, no sentido da impropriedade de utilização de ‘Chamada Pública’ para o objeto em questão”, afirmou o TCE.

Para o tribunal, como há várias empresas que prestam esse serviço e o lucro delas é realizado à medida que há pontos de recarga, esse processo deveria ter sido uma licitação.

“O objeto não guarda quaisquer características passíveis de enquadramento nessas circunstâncias, sendo de rigor a realização de licitação nos moldes previstos em lei. Isso porque se trata de espécie de concessão onerosa de espaço público para instalação de máquinas que processarão operações financeiras de crédito e débito, destinadas à venda de bilhetes pela CPTM. Tais operações financeiras representam o verdadeiro interesse das possíveis fornecedoras, em vista das taxas cobradas e lucros obtidos nas movimentações”, disse o TCE.

“Não há que falar, portanto, em ausência de competitividade entre as fornecedoras do ramo e, sobretudo, na impossibilidade de obtenção de propostas com níveis distintos de vantagem à Administração, a qual, legalmente não pode dispor da melhor que lhe atenda, assim como deixar de propiciar um ambiente isonômico aos interessados”, completou o tribunal.

A CPTM havia feito um “chamamento público” para “exploração comercial de espaços em estações, mediante remuneração e encargos de implantação, administração, operação e manutenção para instalação de máquinas de autoatendimento para venda automática de crédito eletrônico do cartão do Bilhete Único por transação bancária- cartão de débito e de crédito”, em um valor estimado em mais de R$ 836,7 mil reais.

A CPTM afirmou, por nota, que o a ideia de fazer um chamamento público foi “agilizar o processo para que os usuários passassem a dispor mais rapidamente dos pontos de recargas do Bilhete Único, uma vez que o processo licitatória seria mais demorado”.

A companhia disse que “avaliará a questão para definir se irá recorrer ou acatar a decisão do TCE sem interposição de recurso”.