As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Promotor abre ação contra licitação dos ônibus de Haddad

Promotor investiga supostas irregularidades no modelo de pagamento às empresas que irão operar o serviço de transporte da cidade

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

13 de janeiro de 2016 | 22h40

O Ministério Público Estadual investiga uma série de supostas irregularidades na proposta da Prefeitura de fazer uma nova licitação para o serviço de ônibus da cidade. Portaria instaurada na segunda-feira, 11, apura “incongruências na fixação da metodologia de remuneração pela prestação dos serviços”, falta de projeto básico para o Centro de Controle Operacional que a Prefeitura quer criar e questionamentos feitos pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) à licitação.

O promotor Nelson Luís Sampaio de Andrade, que assina a portaria de abertura de inquérito, afirma ainda que a convocação de empresas para a licitação havia sofrido mudanças em seu conteúdo sem mudança da data da licitação.

Em nota, a Prefeitura afirma que “não foi notificada, mas considera estranha a abertura de um inquérito, ou falar de ‘irregularidades’, quando a licitação está suspensa e sob análise do Tribunal de Contas”. A nota segue: “Quaisquer objeções poderiam ser enviadas pelo promotor ao conselheiro que está analisando o processo. Além disso, a administração pública não recebeu sugestões da promotoria durante o período de consulta pública.” Por fim, a gestão Fernando Haddad (PT) diz que “contudo, as colocações do MP ainda podem ser incorporadas, caso sejam pertinentes para o aperfeiçoamento do texto”.

A proposta de Haddad é trocar as atuais oito áreas de concessão por 32, criando novos serviços de linhas. A licitação tem prazo de 20 anos, prorrogáveis por mais 20, ao custo anual estimado em R$ 7 bilhões.

O processo está parado por causa de uma decisão do vice-presidente do TCM, Edison Simões, que apontou outras supostas irregularidades. A suspensão ocorreu em novembro. Simões paralisou todas as licitações da gestão Haddad que analisou.

A Prefeitura argumenta que a nova licitação, quando estiver valendo, vai reduzir o lucro dos empresários de ônibus do atuais cerca de 14% ao mês para uma taxa de 7%

terminal de ônibus

Foto: ESTADÃO

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.