Petista quer colocar nome de Dona Marisa em avenida na zona sul de SP
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Petista quer colocar nome de Dona Marisa em avenida na zona sul de SP

Vereador Reis apresentou projeto de lei para homenagear a mulher do ex-presidente Lula que morreu no início deste mês

Fabio Leite

15 Fevereiro 2017 | 16h43

Dona Marisa observa Lula em 2010. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Dona Marisa observa Lula em 2010. Foto: Dida Sampaio/Estadão

 

O vereador Reis (PT) apresentou um projeto de lei na Câmara Municipal de São Paulo para homenagear a ex-primeira-dama Marisa Letícia com o nome de uma avenida que ainda está em construção na zona sul da capital. A mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva morreu no início deste mês após sofrer um AVC causado por um aneurisma.

A proposta do parlamentar petista prevê que o prolongamento da Avenida Chucri Zaidan até a Rua Laguna, na Chácara Santo Antônio, seja nomeado como “Avenida Dona Marisa Letícia” quando for concluído. O trecho ainda está em construção pela Prefeitura com recursos arrecadados com a venda de títulos imobiliários na Operação Urbana Água Espraiada. O custo supera os R$ 320 milhões e a inauguração deve ocorrer neste ano.

“É uma importante homenagem pelo papel que ela desenvolveu ao lado do presidente Lula”, disse Reis. O vereador também foi o autor do projeto que homenageou o ex-vice-presidente José Alencar, morto em 2011, com o nome na Ponte Laguna, inaugurada em 2016 pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) sobre a Marginal dos Pinheiros, na mesma região da zona sul.

Esse projeto foi aprovado na Câmara Municipal e sancionado por Haddad em novembro de 2016, mas a placa com o nome de José Alencar na ponte ainda não foi colocada. Com a mudança de gestão municipal do PT para o PSDB, Reis acredita que o projeto de homenagem à Dona Marisa pode ser mais difícil de ser aprovado no Legislativo e sancionado pelo prefeito João Doria (PSDB).

“Claro que agora é outro momento e é possível que eles dificultem. Mas como nós não apresentamos nenhuma dificuldade aos projetos do PSDB nos quatro anos do governo Haddad esperamos que eles também ajam com respeitabilidade e espírito republicano para que nossas propostas prosperem”, completa o vereador petista. Para virar lei, o projeto precisa ser aprovado em duas votações na Câmara Municipal com pelo menos 28 votos a favor entre os 55 parlamentares.