Em sanção, Doria veta item que previa mais de uma multa por pichação
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em sanção, Doria veta item que previa mais de uma multa por pichação

Prefeito aponta 'desproporcionalidade' em parágrafo que instituia punição de R$ 5 mil por cada elemento pichado

Fabio Leite

21 Fevereiro 2017 | 09h33

FR12 SÃO PAULO1

O prefeito paulistano João Doria (PSDB) publicou nesta terça-feira, 21, no Diário Oficial a sanção da lei antipichação com veto a um parágrafo que previa a aplicação da multa de R$ 5 mil para cada edificação ou equipamento público pichado.

Na prática, o veto do tucano impede que o pichador receba mais de uma multa caso ele seja flagrado pichando mais de um muro ou placas e lixeiras, por exemplo. O texto aprovado pela Câmara Municipal na semana passada previa a punição para cada item danificado, “incidindo tantas multas quantos forem os bens atingidos por atos de pichação”.

Doria justificou o veto dizendo que essas multas “escapam dos limites da razoabilidade e proporcionalidade” da punição. “Ao inidicidualizar a incidência de multa por cada elemento do mobiliário urbano eventualmente atingido por ato de pichação, acaba por ensejar situação que exacerba a proporcionalidade necessária entre a infração cometida e a sanção”, argumenta o prefeito.

Ele cita como exemplo da “desproporcionalidade” que a medida provocaria a aplicação de várias multas para um pichador que provocasse “danos a pequenos elementos”, como lixeiras, hidrantes ou grades, e de apenas uma única multa para quem pichasse a “empena cega de um alto edifício”.

Todos os demais artigos e parágrafos do projeto aprovado por 51 dos 55 vereadores foram mantidos por Doria, como a multa de R$ 10 mil para pichação de monumentos ou bens tombados e de R$ 5 mil para o comerciante que vender tinta spray a menores de 18 anos. A lei também veta e prevê punição a grafites que sejam feitos sem autorização prévia e Prefeitura ou do proprietário do imóvel grafitado.