Doria quer táxi de luxo para transporte de deficientes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Doria quer táxi de luxo para transporte de deficientes

Prefeitura abre cadastramento para que táxis da categoria Preto façam viagens para o serviço Atende, da SPTrans

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

13 Fevereiro 2017 | 07h00

taxi preto 20990802 gabriela bilo

Táxi preto circula por São Paulo. Foto: Gabriela Biló/ESTADÃO

A Prefeitura lançou na sexta-feira passada um credenciamento para que motoristas de táxi da categoria “táxi preto” prestem atendimento para o serviço Atende, que a SPTrans mantém para o transporte de pessoas com mobilidade reduzida.

Os táxis pretos chegaram a prestar esse atendimento entre novembro de 2014 e agosto do ano passado, mas o serviço foi interrompido. A proposta agora é que os veículos — Doblos equipados com elevadores para cadeirantes — voltem à complementar o Atende, prestado por vans da Prefeitura.

“A quantidade de pessoas transportadas vai depender dos agendamentos efetuados pelos usuários em suas viagens de ida, volta ou ida e volta. A média transportada no sistema anterior era em torno de cem viagens por dia”, informa a SPTrans, em nota.

O Táxi Preto é uma categoria de táxi especial criada em 2014, na gestão Fernando Haddad (PT) como uma primeira proposta para regulamentação do Uber e de outros aplicativos de transporte. Na época, se pensou em uma forma de táxi especial, chamada apenas por aplicativos, e que oferecesse serviço melhor do que o táxi comum. A cor era uma alusão ao “Uber Black” e as corridas não precisavam obrigatoriamente custar o valor da bandeirada de táxi.

Com a regulamentação do Uber, entretanto, os táxis pretos foram autorizados a pegar passageiros na rua, não só os chamados por App, e receber pagamento em dinheiro.