Após derrota na ‘Lei Uber’, Haddad demite 140 indicados de vereadores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após derrota na ‘Lei Uber’, Haddad demite 140 indicados de vereadores

Exonerações de funcionários ligados a parlamentares começaram na última sexta-feira; vereadores declaram guerra contra a prefeito com abertura de CPIs

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

09 Maio 2016 | 18h24

Após ver fracassada duas tentativas de votação na Câmara Municipal para regulamentar aplicativos de transporte como o Uber, a gestão Fernando Haddad (PT) iniciou uma série de demissões de funcionários indicados por vereadores para ocupar cargos comissionados (sem concurso público) na Prefeitura. Ao todo, devem ser exoneradas 140 pessoas.

Já nas edições do Diário Oficial da Cidade de sexta-feira, 6, e sábado, 7, o secretário municipal de Governo, Chico Macena, publicou a demissão de 86 servidores, a maioria indicada por parlamentares para trabalhar nas subprefeituras da capital. O restante das exonerações será publicada ao longo desta semana por Haddad — parte será de comissionados da Subprefeitura da Mooca, onde trabalham servidores indicados pelo vereador Adilson Amadeu (PTB), principal opositor à lei do Uber.

votação do uber 4-5-16 marcio fernandes

Taxistas protestam contra ‘Lei Uber’. Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Entre os vereadores que perderam espaço na máquina municipal estão Edir Sales (PSD), George Hato (PMDB), Noemi Nonato (PSB) e Sandra Tadeu (DEM), que votaram a favor de projetos da gestão Haddad, mas são apontados como integrantes do grupo que esvaziou as sessões que aprovariam a regulamentação do Uber na última quarta-feira, 4. O projeto não foi à votação por falta de quórum no plenário da Câmara: mínimo de 28 presentes dos 55 eleitos.

“Meu pai me ensinou que o que é acordado é o que está valendo, que palavra só existe uma. Fiquei muito surpresa com tudo isso, que só soube agora há pouco, e ainda vou decidir como vou reagir. Certamente vou agir para mostrar minha indignação diante desse gesto”, disse uma vereadora. Os partidos dos parlamentares não devem apoiar a candidatura à reeleição de Haddad, em outubro. PSD e PMDB, por exemplo, têm candidatos próprios: Andrea Matarazzo e Marta Suplicy, respectivamente.

Oficialmente, a Prefeitura informou não ter ciência de razões específicas para a onda de demissões. Interlocutores do prefeito, entretanto, afirmam que a votação do Uber foi uma “gota d’água” na relação com o Legislativo. Ele alega que a Câmara havia pedido para “protagonizar” a liberação do aplicativo, mas os vereadores se recusaram a votar o projeto.

Os servidores exonerados, ainda na versão da Prefeitura, haviam sido indicados por parlamentares que chegaram a fazer parte da base de Haddad mas deixaram de votar com o prefeito e, com o tempo, passaram a trabalhar para outros candidatos nas próximas eleições.

 

Guerra. Por se recusarem a votar com o prefeito — e com o cenário das eleições e apoios políticos praticamente definido — esse parlamentares viram os acordos para a indicação de cargos ser rompido. Agora, parlamentares ouvidos pelo Estado sob condição de anonimato, já divulgam as estratégias de retaliação: pretendem colher assinaturas para instalar uma série de CPIs contra a gestão Haddad, para constranger o prefeito ao máximo até as eleições.

“Isso é uma declaração de guerra aos vereadores que votaram o tempo todo com o governo e agora estão retaliados porque seus partidos não apoiarão o prefeito. A base do prefeito na Câmara acabou”, disse um dos parlamentares. Uma das CPIs a serem instaladas deve investigar desvios no Theatro Municipal, e tem como alvo o secretário de Comunicação, Nunzio Briguglio, executivo da cota pessoal do prefeito, que nega qualquer relação com desvios apontados no Theatro.

Um dos efeitos colaterais do gesto da Prefeitura foi expor um “racha” interno dentro do secretariado de Haddad. A execução das demissões teria sido de responsabilidade do secretário de Governo, Chico Macena, que agiu sem comunicar a ação ao secretário José Américo, titular da Pasta de Relações Governamentais, encarregado de costurar a articulação com a Câmara.

Macena afirmou ao Estado que as demissões eram “técnicas”, mas prometeu das mais explicações sobre o tema ainda nesta tarde. Já José Américo disse que as exonerações deveriam ser tratadas com o responsável por elas, o secretário de Governo.