Trem Republicano recebe composição e opera em dezembro entre Itu e Salto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Trem Republicano recebe composição e opera em dezembro entre Itu e Salto

José Tomazela

11 de novembro de 2020 | 08h46

O projeto de um trem turístico ligando as cidades de Itu e Salto conseguiu mais um avanço. Nesta terça-feira (10), uma locomotiva e um vagão de passageiros foram descarregados na estação ferroviária de Itu, depois de uma viagem de mais 500 km pela rodovia Régis Bittencourt (BR-116) e outras estradas paulistas, desde o Paraná. Mais uma locomotiva e dois vagões devem chegar até o fim do ano.
O ‘Trem Republicano’, nome que faz alusão ao fato histórico de Itu ter sediado a convenção do Partido Republicano que, em 1873, foi considerada um passo decisivo para a proclamação da República no Brasil, começa a rodar na segunda quinzena de dezembro.
O percurso de oito quilômetros levará os turistas de Itu a Salto por um ramal ferroviário que já foi restaurado. A operadora será a Serra Verde Express, atual concessionária dos trens turísticos na ferrovia Curitiba-Paranaguá, no Paraná.
O ponto de partida será a estação ferroviária do Bairro da Liberdade, em Itu, que também foi recuperada. O local possui uma oficina para a manutenção dos trens e sedia a Secretaria Municipal de Turismo. A chegada será na estação ferroviária de Salto, também restaurada. Haverá uma programação de passeios nas duas cidades, que são estâncias turísticas.
O trem turístico é uma das apostas para a retomada da economia regional após a pandemia do coronavírus. Os vagões ganharam projeto arquitetônico assinado por Lucille Amaral. Nos três vagões, o Trem Republicano vai transportar 132 passageiros em cada viagem. Está previsto um espaço para pets. A viagem deve durar cerca de uma hora. O valor das passagens ainda será definido.

Composição do Trem Republicano chega a Itu. Foto Serra Verde/divulgação

Tudo o que sabemos sobre:

Trem RepublicanoItuSaltoramal ferroviário

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.