Semana Santa resgata patrimônio religioso do século 19 em Itu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Semana Santa resgata patrimônio religioso do século 19 em Itu

José Tomazela

18 de março de 2016 | 17h13

As celebrações da Semana Santa, que se iniciam nesta sexta-feira (18) e seguem até o domingo de Páscoa, resgatam cerimônias tradicionais que remontam ao século 19, em Itu. Os eventos que relembram a paixão e morte de Jesus Cristo acontecem em igrejas que são relíquias do patrimônio histórico paulista.
Nesta sexta, a imagem bicentenária de Nossa Senhora das Dores sai em procissão até a igreja matriz de Nossa Senhora da Candelária, de 1780, para a via sacra. A Schola Cantorum de Itu cantará antigos motetes e o Coral Vozes entoa o hino Stabat Mater, composto por Miguelzinho Dutra, por volta de 1850.
No sábado haverá o Ofício Solene das Trevas, na Igreja do Carmo, de 1774. Os salmos e antífonas serão entoados em cantochão e canto gregoriano. Os responsórios foram compostos em 1876, em Itu, pelo maestro Tristão Mariano da Costa.
Domingo, a Procissão dos Passos, uma via sacra com sete estações, repete tradição do século 18, visitando casas de famílias da região central. Em cada passo haverá o canto da Verônica, composto por volta de 1790 pelo padre Jesuíno do Monte Carmelo. A chega será na Igreja do Bom Jesus, de 1765, onde se realiza o Sermão do Encontro. A União dos Artistas executará marchas recuperadas recentemente e que não eram ouvidas há mais de 60 anos.
Na Sexta-Feira Santa (25), haverá a Cerimônia das Sete Palavras, realizada em Itu desde 1867 – a primeira que existiu no Brasil. Parte das obras musicais que acompanham a celebração foi composta em Itu, por Elias Lobo, em 1867. Durante o cortejo com o Senhor Morto, o Vozes de Itu entoa o canto medieval Vexila Regis.
Na celebração da morte de Jesus, serão cantadas músicas compostas em 1876 por Tristão Mariano da Costa. À noite, a imagem do Senhor Morto, esculpida em 1796, será levada em procissão pelas ruas, ao canto do Stabat Mater. No Ofício das Trevas, sábado, a Schola Cantorum recita salmos, antífonas e responsórios compostos por José Tescari, em Itu, em 1921.

Igreja de Nossa Senhora da Candelária, em Itu.

Igreja de Nossa Senhora da Candelária, em Itu.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.