Segunda cidade mais antiga do país, Itanhaém preserva patrimônio de 490 anos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Segunda cidade mais antiga do país, Itanhaém preserva patrimônio de 490 anos

José Tomazela

22 de abril de 2022 | 13h17

Considerada a segunda cidade mais antiga do Brasil, Itanhaém comemora os 490 anos nesta sexta-feira, 22, preparada para atrair o turista internacional. A cidade do litoral sul de São Paulo se espelha em outros centros urbanos que usaram a preservação do patrimônio histórico e arquitetônico para alavancar o turismo.

Um estudo da pesquisadora Patrícia Silva Zanella comparou Itanhaém à cidade chilena de Viña del Mar, que se tornou destino internacional por conciliar seus atributos naturais com a preservação cultural. Embora bem mais ‘jovem’ que Itanhaém – foi fundada em 1874 -, a cidade do Chile banhada pelo Oceano Pacífico preserva igrejas, casarões e outras referências históricas.

Itanhaém foi fundada em 1532, quando o rei de Portugal enviou uma expedição às suas terras no continente americano para fundar os primeiros núcleos europeus no território recém-descoberto. Líder da expedição, Martim Afonso de Sousa fundou São Vicente e, em 22 de abril daquele ano, o núcleo original da cidade de Conceição de Itanhaém, aos pés do Morro do Itaguaçu.

Muitas construções do atual centro histórico remontam àqueles primórdios. O Convento de Nossa Senhora da Conceição, no alto do morro, foi edificado por volta de 1.630, em homenagem à padroeira de Portugal. A Igreja Matriz de Sant’Anna foi construída em 1645, mantendo o estilo colonial. O templo abriga o quadro “O Cristo”, obra do itanhaense Benedito Calixto, um dos expoentes da arte sacra paulista. Esses dois monumentos, mais o prédio da Câmara e Cadeia são tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A pesquisadora Patrícia Zanella considerou ‘notória’ a necessidade de Itanhaém usar a cultura como vetor de internacionalização do turismo. “São estes patrimônios que denunciam como a história de Itanhaém é, simultaneamente, tão rica e tão pouco conhecida e explorada. Os governos municipais possuem meios para conquistar essa internacionalização independente dos seus recursos”, disse. Além de Viña del Mar, ela citou cidades europeias que têm a economia focada no turismo por serem cidades históricas e bem preservadas.

Além do acervo arquitetônico, Itanhaém tem referências históricas importantes, como a Cama de Anchieta, formação rochosa no costão da Praia do Sonho, onde o beato José de Anchieta passava horas em meditação. Uma passarela de 220 m construída por convênio com uma fundação das Ilhas Canárias liga a Gruta de Lourdes – outra atração – ao costão, com vista privilegiada do Oceano Atlântico.

Itanhaém é conhecida também pela sua culinária, baseada em frutos do mar e tubérculos cultivados na região. Os pratos à base de polvo, fornecido por pescadores artesanais, e legumes grelhados, cultivados por produtores locais, fazem sucesso entre os visitantes.

Os 490 anos foram marcados por hasteamento de bandeiras e desfile cívico, nesta sexta, com homenagem à Semana de Arte Moderna de 1922, por alunos de 33 escolas municipais. Artistas modernistas viveram na cidade e se inspiraram nos cenários locais para suas obras. Neste sábado, 23, haverá shows e apresentações artísticas em frente ao Pocinho de Anchieta, na Praia do Cibratel.

Itanhaém quer atrair turismo internacional. Foto Prefeitura de Itanhaém/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.