Romaria de 121 anos leva 50 mil a santuário de Aparecidinha em Sorocaba
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Romaria de 121 anos leva 50 mil a santuário de Aparecidinha em Sorocaba

José Tomazela

14 de julho de 2019 | 15h25

Cerca de 50 mil pessoas acordaram de madrugada, neste domingo (14), para acompanhar a romaria que levou a imagem de Nossa Senhora Aparecida desde a Catedral Metropolitana até o bairro rural de Aparecidinha, em Sorocaba.
A principal tradição religiosa da região se repete há 121 anos, segundo a Arquidiocese de Sorocaba. Alguns historiadores dizem que a romaria é ainda mais antiga, tendo se iniciado em 1804, embora não de forma contínua. A imagem é levada em um andor e as pessoas seguem o cortejo a pé. Os mais devotos fazem a caminhada descalços.
A romaria teve início às 5h30, após missa campal na Praça Fernando Prestes, em frente à Catedral. Os fiéis caminharam pelo centro até a Santa Casa, na Avenida São Paulo, onde foi realizada a bênção dos enfermos. Ao longo do percurso, famílias montaram altares para receber as bênçãos da padroeira do Brasil.
Em cada trecho havia barracas montadas pelos devotos para oferecer água, café, frutas e lanches de graça aos caminhantes. Muitos pagavam promessas. Várias mães levaram seus bebês vestidos como anjinhos. Os foguetórios que marcavam a procissão foram suprimidos pela Igreja, atendendo a apelo dos protetores de animais. Mesmo assim, ainda houve fogos.
Na chegada ao bairro de Aparecidinha, outra missa campal celebrada pelo arcebispo de Sorocaba, d. Júlio Endi Akamine, que acompanhou a romaria em meio aos fiéis. A imagem de Nossa Senhora foi entronizada em seu nicho, no santuário. Uma nova romaria levará a santa de volta à Catedral no dia 1.o de janeiro de 2020.
A tradição, em sua forma atual, teve início no final do século 19, quando a cidade foi devastada por um grande surto de febre amarela, mas o bairro de Aparecidinha não teve casos, o que foi atribuído à imagem da padroeira que ornava o altar da pequena capela. Um religioso da época, Monsenhor João Soares, que havia criado uma unidade de isolamento no ginásio diocesano para atender os doentes, teve a ideia de trazer a imagem para a cidade a fim de proteger a população contra a peste.

Romaria tradicional levou 50 mil ao bairro de Aparecidinha, em Sorocaba. Foto José Tomazela/Estadão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.