Programa recruta alunos para lançamento de balão científico em Sorocaba
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Programa recruta alunos para lançamento de balão científico em Sorocaba

José Tomazela

29 de setembro de 2020 | 16h40

Um programa está recrutando alunos de escolas públicas e privadas, para participar do lançamento de um balão atmosférico recheado com experimentos em várias áreas da ciência, em Sorocaba. O programa Sorocaba Espacial foi desenvolvido pelos professores César Hipólito (Física) e Verônica Trevizoli (Matemática) para incentivar a formação de jovens cientistas.
Os alunos terão um prazo para desenvolver projetos em várias áreas do conhecimento, como eletrônica, física, biologia, química e matemática, para que possam ser experimentados durante a viagem do balão de alta altitude.
O prazo para a inscrição termina nesta quarta-feira (30). Podem se inscrever alunos desde o ensino fundamental até o superior.
Os projetos serão entregues até 15 de outubro, quando passarão por um processo de seleção. Os cinco escolhidos terão até 7 de dezembro para transformar a ideia em experimento real, que será embarcado no balão. O lançamento vai acontecer no dia 13 de dezembro, no Parque das Águas, em Sorocaba. A soltura tem autorização da Aeronáutica e segue protocolos de segurança.
Durante a trajetória do balão, equipado com GPS, os experimentos devem recolher e analisar informações sobre temperatura, pressão, umidade do ar e outros elementos que permitem avaliar, por exemplo, possíveis mudanças climáticas.
O programa foi desenvolvido pela IMA – Ideias Mecânicas Avançadas (Imaeduc.org), startup criada há dois anos pelos professores César e Verônica. O Instituto Federal de Sorocaba apoia a proposta, que tem patrocínio da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens). A primeira versão do projeto aconteceu no ano passado, com a soltura do balão no Parque das Águas.
Para a preparação dos experimentos, os professores dividem os estudantes em turmas e ministram aulas por meio de vídeo. “Queremos ampliar o conhecimento deles também na área de engenharia espacial”, disse o professor César. Conforme a professora Verônica, além de inspirar os jovens a se tornarem futuros cientistas, favorecendo o cenário de pesquisas no país, o programa ajuda a estimular o pensamento crítico dos alunos.

Primeira soltura de balão atmosférico, em 2019. Foto IMA/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: