As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Patrimônio ferroviário perde para o fogo estação de Presidente Epitácio

José Tomazela

28 de agosto de 2019 | 08h38

A história das ferrovias paulistas acaba de sofrer mais um golpe. Um incêndio destruiu, na segunda-feira (26), a estação ferroviária da antiga Estrada de Ferro Sorocabana (EFS), em Presidente Epitácio, no extremo oeste do Estado. A estação era o ponto final da linha tronco da Sorocabana, que se iniciava na Estação Júlio Prestes, no centro da capital. A prefeitura, que obteve a cessão de uso do prédio, tinha um projeto aprovado para restaurar o imóvel, que ficou muito tempo abandonado.
O fogo atingiu a estrutura do telhado e parte da cobertura desabou. A suspeita é de que o incêndio tenha sido criminoso. No dia 6 de junho do ano passado, a prefeitura obteve a cessão de uso gratuito do prédio, que integra o patrimônio da União, junto ao Departamento de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pelo acervo ferroviário paulista.
Assim que obteve a posse, o município elaborou um projeto de reforma, aprovado pelo Conselho Municipal de Turismo, e passou a buscar recursos junto ao Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos (Dadetur), órgão estadual. O custo da obra estava estimado em R$ 600 mil. Após o restauro, a estação abrigaria a Secretaria de Turismo e Cultura e o acervo fotográfico do município. Havia também projeto de um trem turístico com partidas da estação.
As causas do incêndio são investigadas pela Polícia Civil. Uma avaliação preliminar constatou que a fachada do edifício resistiu às chamas. A estrutura interna está sendo avaliada pelo setor de engenharia da prefeitura. Ainda não se sabe quanto custará para recuperar o prédio.
HISTÓRIA – A Estrada de Ferro Sorocabana foi criada em 1870 e teve o primeiro trecho, entre São Paulo e Sorocaba, inaugurado em 1875. A extensão da linha férrea até Presidente Epitácio aconteceu em agosto de 1921, no dia em que o presidente da época, Epitácio Pessoa, visitou a vila, até então denominada Porto Tibiriçá. A cidade mudou de nome e a estação foi inaugurada no ano seguinte.
A linha tronco da EFS, que em 1971 foi incorporada à Ferrovia Paulista S.A. (Fepasa), chegou a ter 113 estações, mas muitas já foram destruídas. A queima do prédio histórico em Presidente Epitácio é a segunda perda recente. Em junho deste ano, a estação de Brigadeiro Tobias, em Sorocaba, edificada há mais de 140 anos, foi demolida por vândalos.

Estação de Presidente Epitácio foi destruída pelo fogo. Foto Prefeitura/divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.