Na pandemia, fundação arrecada R$ 104 mi para complexo hospitalar de Rio Preto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Na pandemia, fundação arrecada R$ 104 mi para complexo hospitalar de Rio Preto

José Tomazela

22 de março de 2022 | 13h18

Em plena pandemia, com muitas atividades restritas devido à covid-19, a Fundação Faculdade Regional de Medicina (Funfarme) conseguiu arrecadar junto à iniciativa privada R$ 104 milhões para investir no complexo hospitalar que mantém em São José do Rio Preto. Foram arrecadados R$ 51 milhões em 2020 e outros R$ 53 milhões no ano passado.

Desde que iniciou o projeto de captação de recursos, há cinco anos, a fundação contou com parceria de mais de 100 empresas, instituições e cidadãos, obtendo a soma de R$ 134,2 milhões em contribuições. Parte dos recursos – R$ 20 milhões – será aplicada no Hospital de Base (HB), Hospital da Criança e Maternidade (HCM) e na unidade do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro.

O plano de investimentos foi apresentado a autoridades e lideranças de grupos empresariais no evento ‘Empresas Parcerias do Bem 2021’, realizado nesta terça-feira, 22. O dinheiro será investido em projetos que atendem 60 especialidades médicas, inclusive pacientes com câncer. No Hospital de Base será instalada uma sala cirúrgica inteligente e adquirido um novo equipamento de ressonância magnética. Serão feitas melhorias na infraestrutura e incorporados novos equipamentos ao Centro Oncológico e nas unidades de Geriatria e Cuidados Paliativos.

No Hospital da Criança e Maternidade os recursos serão usados para aquisição de equipamentos, mobiliários e contratação de profissionais. Também será aprimorado o projeto Acolher, que presta atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência. No Lucy Montoro será desenvolvido o projeto de reabilitação e emprego apoiado, com foco na qualificação profissional de pessoas com deficiência.

O diretor executivo da Funfarme, Jorge Fares, lembrou que a parceria com empresas e cidadãos é imprescindível para o desenvolvimento de projetos que beneficiam a saúde pública de São Paulo e do Brasil. O complexo hospitalar da fundação é o segundo maior do país, atrás apenas do conjunto agregado ao Hospital das Clínicas de São Paulo, inclui ainda o Instituto do Câncer, o Ambulatório Geral de Especialidades e o Hemocentro de Rio Preto.

O Hospital de Base e o Hospital da Criança e Maternidade são hospitais-escola, ligados à Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp). O complexo é referência para 2 milhões de habitantes de 102 municípios da região, mas atende pacientes de todo país, a maioria pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

UTI cardiopediátrica do HCM de Rio Preto. Foto Funfarme/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.