Iguape, 475 anos, quer virar patrimônio da humanidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Iguape, 475 anos, quer virar patrimônio da humanidade

José Tomazela

02 Dezembro 2013 | 17h55

Detentora do maior conjunto de edifícios históricos do Estado de São Paulo, a cidade de Iguape, no litoral sul, completa 475 anos de fundação nesta terça-feira (3) em campanha para se tornar patrimônio da humanidade. O núcleo urbano tem cerca de 250 imóveis representativos do período colonial português, dos quais 62 são tombados desde 1975 pelo Condephaat, o conselho estadual do patrimônio histórico.

Em 2009, a cidade foi declarada patrimônio cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Três edifícios, o Paço Municipal, de 1865; a antiga Casa da Fundição, atual Museu Histórico e Arqueológico, datada de 1653; e o Sobrado dos Toledos, da primeira metade do século 19, foram incluídos no PAC Cidades Históricas, programa federal de recuperação do patrimônio, e estão em processo de restauração.

A recuperação destes e de outros prédios históricos qualificaria a cidade para reivindicar o reconhecimento pela Unesco. O município, um dos maiores do Estado, com 1,9 mil km2, já teve parte do território tombada, em 1999, como patrimônio da humanidade por integrar as reservas de Mata Atlântica do Sudeste. O casario urbano reflete a riqueza produzida nos ciclos do ouro (século 16) e da cultura do arroz (século 18).

A cidade é também destino de peregrinações por sediar a Basílica do Senhor Bom Jesus e de Nossa Senhora das Neves. A construção da igreja pelos escravos, com argamassa embebida em óleo de baleia e pedras vindas de Portugal, demorou 70 anos – de 1782 a 1852. O santuário abriga a imagem do Senhor Bom Jesus, encontrada por índios na Praia do Una, em 1647.

O Brasil tem vários centros urbanos reconhecidos como patrimônios da humanidade pela Unesco, como os centros históricos de Ouro Preto (MG), Olinda (PE), Salvador (BA), São Luiz (MA), Diamantina (MG), Goiás (GO), além das paisagens cariocas do Rio de Janeiro e do Plano Piloto de Brasília, mas nenhum de São Paulo. Além de Iguape, está na disputa pelo reconhecimento a cidade de São Luiz do Paraitinga.

 

Centro histórico de Iguape