Granada de mais de 100 anos achada em pescaria é explodida em Cardoso
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Granada de mais de 100 anos achada em pescaria é explodida em Cardoso

José Tomazela

20 de agosto de 2021 | 17h41

Uma granada fabricada na Inglaterra há 106 anos foi encontrada durante uma pescaria às margens do Rio Turvo, em Cardoso, região norte do estado, na última quarta-feira, 18. O artefato provavelmente foi perdido por algum combatente durante a Revolução Constitucionalista de 1932 e permaneceu intacto ao longo das décadas, tanto que explodiu de forma controlada.
A granada foi achada por acaso. Um dos pescadores usava uma enxada para limpar o mato em torno do rancho de pesca, quando bateu o instrumento no explosivo. Quando percebeu que o objeto era uma granada, ele entrou em contato com a Polícia Militar da cidade.
Especialistas em explosivos do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), força de elite da Polícia Militar paulista, se deslocaram até a cidade para examinar e neutralizar o artefato. Foram eles que identificaram a origem da granada, de modelo M36, fabricada por volta de 1915 pelos ingleses.
Os peritos abriram um buraco na margem do rio e fizeram a detonação do explosivo. Moradores fizeram imagens e gravaram vídeos para evitar que o episódio passasse a ser considerado ‘história de pescador’.
Não é incomum o achado de restos do material bélico empregado durante a ‘guerra dos paulistas’, como também é chamada a Revolução de 32, quando São Paulo se insurgiu contra o governo de Getúlio Vargas em defesa da Constituição. Na mesma região de Cardoso, foram encontradas outras granadas nas cidades de Nhandeara e Monções.
Na região de Itapeva, um grupo de aficionados pelas histórias da revolução usa equipamentos, como detectores de metais, para resgatar cápsulas de projéteis, capacetes e restos de armas usados durante os combates e abandonados em trincheiras.

Granada fabricada em 1915 na Inglaterra foi achada em Cardoso. Foto PM Cardoso/Divulgação.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.