Governo escolhe até setembro ponte ou túnel para ligar Santos e Guarujá
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Governo escolhe até setembro ponte ou túnel para ligar Santos e Guarujá

José Tomazela

01 de junho de 2021 | 19h03

O debate sobre a ligação seca entre Santos e Guarujá, no litoral de São Paulo, chegou ao Congresso Nacional com realização de audiência pública, nesta segunda-feira, 31, na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados. O Diretor de Novas Outorgas do Ministério da Infraestrutura, Fábio Lavor, garantiu que a definição sobre a obra, se vai ser construída uma ponte ou um túnel ligando as margens do Porto de Santos, deve acontecer entre agosto e setembro. “Estamos avaliando abertamente as duas opções”, disse.
Alguns participantes da audiência defenderam o túnel imerso (sob o mar) como a melhor alternativa para a solução do antigo gargalo da região, pois não cria obstáculos físicos no canal de navegação do Porto de Santos e não impede o desenvolvimento dos negócios no maior porto da América Latina. Outros apontaram a ponte como opção técnica e financeiramente mais viável.
A autoridade portuária, Santos Port Authority (SPA), fez um chamamento público para o encaminhamento de estudos sobre a obra entre os dois municípios. Demanda antiga da população das duas cidades, o projeto se tornou mote da Campanha Vou de Túnel, iniciativa popular assinada por mais de 50 empresas privadas, associações de classe e entidades.
Segundo Lavor, a ligação seca está prevista no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto (PDZ). “A pasta pretende viabilizar rapidamente essa solução e incluir a ligação como investimento obrigatório para o futuro concessionário no processo de desestatização do porto”, disse.
Casemiro Tércio de Carvalho, engenheiro naval e porta voz da Campanha Vou de Túnel, lembrou que o projeto da ponte não segue as boas práticas internacionais e orientações da Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Marítimo de que qualquer intervenção em canal estreito de área portuária deva ser imersa.
Além disso, segundo ele, o túnel promove a mobilidade urbana e é mais inclusivo e acessível para a população dos municípios. “O túnel respeita a operação portuária e a mobilidade pública, pois contempla o trânsito de pedestres, ciclistas, ônibus e VLT. O projeto inclui reversão de faixas e tarifas que levam em conta os horários de pico, possibilitando descontos em outros períodos do dia”, explica.
O presidente da Santos Port Authority (SPA), Fernando Biral, defendeu tecnicamente o projeto do túnel por evitar problemas com a navegação do canal e a interrupção da navegação por conta das balsas. Biral lembrou que a ponte também pode afetar os planos de implantação do Aeroporto Civil de Guarujá, já em andamento.
O secretário de Transportes do Estado, João Octaviano Machado Neto, informou que ainda aguarda resposta do ministério sobre o estudo técnico da ponte, opção defendida pelo governo estadual. O secretário de Assuntos Portuários de Santos, Ronald Couto, disse que a decisão vai depender da viabilidade técnica e financeira e que a prefeitura apoia as duas propostas.
O requerimento da audiência pública foi protocolado pela deputada federal Rosana Valle (PSB-SP) que também defendeu o túnel imerso como melhor opção para a ligação seca entre Santos e Guarujá, por não dificultar as manobras dos navios maiores e a própria expansão do porto.
Projetada pela concessionária Ecovias, a ponte tem 7,5 km, iniciando na entrada de Santos, com chegada na área continental, próximo à Ilha do Barnabé. Já o túnel terá 1,7 km, com três faixas de rolamento em cada sentido. O projeto prevê, no futuro, via exclusiva para o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Projeto ilustrativo da ponte ligando Santos e Guarujá. Divulgação.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.