Falta de chuvas paralisa transporte pela hidrovia do Tietê em Pederneiras
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Falta de chuvas paralisa transporte pela hidrovia do Tietê em Pederneiras

José Tomazela

27 de agosto de 2021 | 18h19

O porto intermodal da Hidrovia Tietê-Paraná, em Pederneiras, paralisou suas operações nesta sexta-feira, 27, devido ao baixo nível do rio Tietê. A última barcaça, procedente do porto de São Simão, em Goiás, atracou de manhã para descarregar uma carga de farelo de soja. Depois disso, a embarcação ficará atracada com outras barcaças que já deixaram de operar.
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Urbano de Pederneiras, Paulo Sampaio Galvão Filho, a decisão foi tomada pelos operadores porque os comboios estavam sendo obrigados a navegar com apenas 30% da capacidade de carga, devido ao risco de encalhe. O baixo volume de carga torna a operação inviável financeiramente.
O transporte será retomado quando a hidrovia do Tietê recuperar o volume de água, o que só deve acontecer durante a temporada de chuvas, entre outubro e dezembro. Isso porque os reservatórios de hidrelétricas como a de Nova Avanhandava, que regulam a vazão do rio, também estão muito baixos.
O porto de Pederneiras é interligado ao Porto de Santos por ferrovia, por isso é utilizado para o escoamento da soja e outros grãos e produtos procedentes do oeste e noroeste paulista, e dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e parte de Goiás, destinados à exportação. Com a paralisação da hidrovia, há previsão de que o tráfego de caminhões e carretas aumente nas rodovias paulistas que são rotas para Santos.

Hidrovia do Tietê paralisa operações devido à estiagem. Foto Governo de SP/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.