Eventos abrem temporada de observação de golfinhos e baleias em Ilhabela
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eventos abrem temporada de observação de golfinhos e baleias em Ilhabela

José Tomazela

20 de maio de 2021 | 16h57

Entre os séculos 18 e 19 a caça da baleia foi muito praticada nos arredores de Ilhabela, sendo a Praia da Armação uma referência dessa atividade. Hoje, são os turistas que caçam os borrifos, saltos e acrobacias feitas por baleias e golfinhos. O mar verde azul que banha a ilha é pródigo em cetáceos. São onze espécies que frequentam a região ao longo do ano.
Para estruturar o turismo de observação de baleias e golfinhos, tornando a atividade sustentável, a prefeitura abriu, nesta quarta-feira, 19, a Temporada de Baleias e Golfinhos, com uma série de eventos presenciais e online, em parceria com o projeto Baleia à Vista e o Viva Instituto Verde Azul.
A programação, que vai até o dia 9 de junho, inclui webinar voltado para marinas, marinheiros e proprietários de embarcações, a capacitação de professores da rede pública e treinamentos para guias, monitores de turismo e jipeiros. Haverá ainda atividades voltadas para os meios de hospedagem e agências de turismo receptivo. Uma exposição fotográfica e o lançamento do guia Baleias e Golfinhos de Ilhabela encerram o programa.

Baleia-jubarte avistada nas imediações de Ilhabela. Foto Projeto BaleiaàVista/Divulgação.

Conforme o prefeito Toninho Colucci (PL), Ilhabela é conhecida pelas suas praias paradisíacas, mata atlântica exuberante e belas cachoeiras, mas recentemente a atenção de moradores e turistas tem se voltado para o mar, em busca de baleias e golfinhos. “É hora de estruturar esse turismo, capitalizando de forma responsável esse presente que a natureza nos deu, promovendo também a geração de emprego e renda”, disse.
O arquipélago é formado por ilhas e ilhotes que favorecem a presença dos cetáceos. A espécie que mais de destaca é a baleia-jubarte, famosa por seus saltos e cantos. Migratória, ela viaja todos os anos cerca de 5 mil km desde a região subantártica das Ilhas Geórgia do Sul e Ilhas Sandwich do Sul, onde se alimentam, até a região de Abrolhos, na Bahia, buscando águas mais quentes para a reprodução.
Em Ilhabela, elas estão de passagem e costumam ser vistas entre os meses de maio e agosto. Além da Praia da Armação, ponto principal dessa atividade, elas podem ser avistadas no Bairro dos Borrifos, referência aos jatos expelidos pelas jubartes, e o Saco do Gibalte, como os antigos caiçaras se referiam a essas baleias, próximo ao Bonete.
Outra que marca presença constante em Ilhabela é a baleia-tropical (Bryde), considerada uma ‘residente’ na ilha.
O arquipélago também é privilegiado pela presença de sete espécies de golfinhos. Os que mais atraem por sua acrobacias são o golfinho-pintado-do-atlântico e o golfinho-nariz-de-garrafa. As toninhas são abundantes, mas difíceis de serem avistadas. Já as orcas visitam a ilha esporadicamente e podem ser vistas em diferentes épocas do ano. A observação dos cetáceos é feita de lanchas e barcos que devem ser reservados para o passeio.

Golfinho com filhote avistado perto da costa. Foto PM Ilhabela/Divulgação.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.