Estado reconhece potencial turístico de região da ‘Angra Doce’ paulista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estado reconhece potencial turístico de região da ‘Angra Doce’ paulista

José Tomazela

07 de agosto de 2018 | 12h26

Uma região com prainhas de água doce, baías, ilhas fluviais, cachoeiras e matas, abrangendo dez municípios do interior e apelidada de “Angra Doce” paulista, foi reconhecida como de interesse turístico pela Secretaria de Turismo do Estado. A área fica no entorno da Represa de Chavantes, no Rio Paranapanema, e inclui também cinco municípios paranaenses. Os governos dos dois Estados assinaram um termo de cooperação para desenvolver o turismo na região.
O nome se deve à semelhança com a região de Angra dos Reis, no litoral fluminense, um dos mais badalados destinos turísticos do país. O lago de 9,4 bilhões de m3 de água doce é formado pela barragem da Usina Hidrelétrica de Chavantes, a três quilômetros da foz do Rio Itararé, e seu reservatório ocupa cerca de 400 km2.
A região é marcada por belas paisagens e atrativos naturais, como os cânions de Barão de Antonina; o Morro do Mirante, em Fartura; a Cachoeira do Arco Íris e a Garganta do Diabo, em Piraju, e a Cachoeira do Palmital, em Timburi. Há ainda atrações culturais e históricas, como a Abadia de Nossa Senhora da Santa Cruz, dos monges da Ordem de São Bento, em Itaporanga, e a Casa dos Ingleses, em Ourinhos.
Outras cidades do roteiro, como as paulistas Chavantes, Ipaussu, Bernardino de Campos e Canitar, além das paranaenses Ribeirão Claro, Carlópolis, Salto do Itararé, Siqueira Campos e Jacarezinho, estão em áreas com paisagens naturais, fazendas históricas e sítios arqueológicos relevantes.
Atualmente, a região já é procurada por turistas para a prática de canoagem, rafting, trekking, voo livre, paraglider, esportes náuticos e pesca. Em Piraju, um trecho do Rio Paranapanema é usado pela Seleção Brasileira de Canoagem em treinamentos para grandes competições internacionais, como as Olimpíadas.
O prefeito de Itaporanga, Vilson Rodrigues Cacheta, acredita que o reconhecimento do ‘Angra Doce’ ajudará a inclusão da cidade no programa Município de Interesse Turístico, do governo paulista.

Represa de Chavantes, na região paulista conhecida como ‘Angra Doce’. Foto Patricia Miura

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.