Diocese exuma corpo para beatificação do padre André em Barretos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diocese exuma corpo para beatificação do padre André em Barretos

José Tomazela

23 de novembro de 2021 | 10h48

A Diocese de Barretos realizou na segunda-feira, 22, a exumação do corpo do padre André Bortolameotti como parte do processo de beatificação do religioso católico. A cerimônia foi realizada no Santuário Diocesano Nossa Senhora do Rosário, onde o padre atuou durante muitos anos e foi sepultado.

A exumação é uma prática da Igreja para o conhecimento dos restos mortais do candidato à santidade, tanto para provar realmente sua existência como para fazer a conservação dos ossos. Conforme o perito em exumação em processos de Causa de Canonização, Tiago Medeiros, os restos mortais são conservados para, quando aprovada a beatificação, se extrair fragmentos que serão consideradas relíquias a serem veneradas pelos fiéis.

Tanto a exumação quanto o tratamento dos ossos são feitos de forma privada, pois o Código Canônico da Igreja não permite venerar publicamente o padre André antes da beatificação, nem divulgar imagens desse processo, que dura cerca de uma semana. A missa com a cerimônia de lacração da urna com os restos mortais será marcada após a finalização do processo de tratamento.

O padre italiano já é reconhecido como servo de Deus, devido às virtudes que apresentou durante a vida. Ele deixou o norte da Itália para exercer o sacerdócio no Brasil em 1976. Segundo a diocese, de maio de 1984 até sua morte, em outubro de 2010, ele atuou em Barretos, onde realizou intenso trabalho social e paroquial.

Padre André ficou conhecido por dar suporte material a espiritual a pacientes que buscavam tratamento contra o câncer no Hospital do Amor, em Barretos. Após sua morte, houve relatos de graças alcançadas por sua intercessão. Em 2016, o Vaticano aceitou a abertura do processo de beatificação.

A fase diocesana do processo deve ser concluída até fevereiro de 2022, quando a documentação será enviada para análise da Causa dos Santos do Vaticano. Em caso de aprovação do papa, o padre André poderá ser chamado de venerável. Após essa etapa, a Igreja passa a avaliar sua beatificação, com o reconhecimento de um milagre atribuído a ele.

A confirmação do milagre sob intercessão do religioso depende de avaliação do Vaticano e também de uma comissão de médicos e teólogos. Isso acontecendo, o padre será declarado beato. Com mais um milagre reconhecido e aprovado, acontece a canonização e o padre torna-se santo da Igreja Católica.

PRECEDENTE – No estado de São Paulo, em abril de 2019, o Papa Francisco reconheceu um milagre atribuído à intercessão do padre brasileiro Donizetti Tavares de Lima, conhecido como Padre Donizetti de Tambaú, em referência à cidade onde exerceu a maior parte do seu sacerdócio. Em novembro do mesmo ano, aconteceu em Tambaú a cerimônia de beatificação do sacerdote. Está em curso o processo para sua canonização.

Sepultura do padre André no Santuário de Barretos. Foto Santuário do Rosário/Acervo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.