Conjunto ferroviário é declarado patrimônio cultural do estado em Taubaté
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conjunto ferroviário é declarado patrimônio cultural do estado em Taubaté

José Tomazela

19 de agosto de 2021 | 16h15

Importante para a conexão entre São Paulo e Rio de Janeiro, ao longo do Vale do Paraíba, o conjunto da Estação Ferroviária de Taubaté foi declarado patrimônio cultural do Estado de São Paulo. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), órgão da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado, decidiu pelo tombamento do complexo, datado de 1923.
O tombamento inclui o prédio da estação, o armazém de carga, o leitor ferroviário e a Vila Ferroviária, conforme publicação da resolução no Diário Oficial do Estado de quarta-feira, 18.
Formado por edificações remanescentes da Estrada de Ferro Central do Brasil (EFCB), o conjunto compõe importante paisagem da Companhia Taubaté Industrial, também tombada pelo Condephaat, bem como documenta a história da industrialização paulista e seu valor simbólico para a constituição da identidade cultural da população local.
O tombamento inclui o prédio da estação e o armazém de carga, localizados no Parque Dr. Barbosa de Oliveira, o leitor ferroviário, no trecho da Rua Santos Dumont, a projeção em linha reta do limite sudoeste do parque e a oficina, situada à rua Dea Freire. Inclui ainda a Vila Ferroviária, composta pelas casas números 71, 73 e 105 da Dea Freire.
A estação ferroviária teve papel importante para o crescimento da cidade. O prédio atual foi inaugurado em 1.o de junho de 1923, quando a Central do Brasil renovou as estações em suas principais linhas. O prédio novo ocupou o lugar do antigo, bastante acanhado, construído em 1876. Naquela época, os passageiros que vinham de São Paulo com destino ao Rio de Janeiro paravam na estação de Taubaté.
Como havia diferença na bitola dos trilhos em relação à ferrovia Dom Pedro II, que seguia para a baixada fluminense, os viajantes eram obrigados a descer dos vagões e fazer a baldeação. Em pouco tempo, o prédio novo se tornou estratégico para a circulação de pessoas e mercadorias entre São Paulo e Rio. Também interferiu no desenvolvimento urbano de Taubaté.
Abandonado durante quase três décadas, o prédio passou por restauro nos últimos anos. A recuperação foi concluída em novembro de 2017. O edifício abriga eventos turísticos e culturais do município.

Com prédio restaurado, estação de Taubaté ganha tombamento. Foto Instituto IS/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.