Com pandemia em queda, arte retoma espaços culturais no interior paulista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Com pandemia em queda, arte retoma espaços culturais no interior paulista

José Tomazela

06 de outubro de 2021 | 10h01

O avanço da vacinação contra a covid-19 está permitindo a retomada das atividades culturais em cidades do interior de São Paulo. Em Sorocaba e Botucatu, o público poderá ver obras de artistas de renome sem pagar ingresso. Mesmo com os números da pandemia em queda, ainda é necessário respeitar os protocolos de segurança, como o uso de máscara, álcool gel e o distanciamento nesses espaços.

O Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Sorocaba recebe, a partir deste sábado, 9, a exposição “Encontros Divergentes” do artista brasiliense Tulio Pinto. A mostra marca a reabertura da visita presencial ao espaço cultural pós-quarentena. O artista plástico realizou mostras em países como Itália, Espanha, Suíça, Uruguai e Estados Unidos, e tem obras em coleções de destaque ao redor do mundo.

Seus trabalhos exploram a espacialidade e estão situados entre a instalação e a escultura. Segundo o curador da exposição, Fábio Magalhães, ex-diretor da Pinacoteca do Estado, o artista procura aproximar materiais de superfícies distintas que, ao se tocarem, se tornam dependentes um do outro.

A exposição “Encontros Divergentes” contará com nove obras, ocupando 350 m2 da Galeria 1 do museu. A mostra, com apoio de empresas e colaboração da prefeitura, fica aberta até 9 de janeiro, com entrada gratuita, podendo ser visitada de quarta a sexta, das 14 às 19, e aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 14 horas.

‘Cumplicidade’, do artista Tulio Pinto, no MAC Sorocaba. Foto Divulgação.

BOTUCATU – Em Botucatu, a Pinacoteca Fórum das Artes recebe, a partir do próximo dia 10, a exposição “Em Volta do Tempo”, da artista plástica paulista Renata Egreja. A mostra apresenta trabalhos inéditos da artista, em cinco telas grandes e dez aquarelas, além da instalação “Mesa Posta”, que convida o espectador a uma imersão na obra.

A exposição, que ocupará duas salas e o átrio da Pinacoteca, faz parte de uma experiência de retorno à terra natal da artista. “Cresci em uma fazenda no meio rural de Ipaussu, uma pequena cidade do interior de São Paulo, onde meus pais eram agricultores”, conta Renata. Ela cursou artes visuais capital e fez mestrado na Escola de Belas Artes de Paris. “Me tornei mãe e doula (assistente de parto) e como artista resolvi voltar ao meu ambiente natal, morando na mesma casa onde vivi com minha família, conciliando as atividades rurais com a maternidade e a vida artística”, disse.

Renata Egreja ganhou o Prêmio Itamaraty de Arte Contemporânea em 2012, fez residência artística na Índia e expôs em instituições como o Instituto Tomie Ohtake. Para a curadora da mostra, Célia Barros, a arte de Renata Egreja propõe uma investigação sobre a mudança de ritmo, as nuances da paisagem rural, os tons do entardecer e a luminosidade do interior paulista. Com produção da Madri Comunicação e Assessoria, a exposição estará aberta para visitação de quarta a sexta-feira, das 9 às 17 horas, até o dia 31 de janeiro, com entrada gratuita.

Renata Egreja expõe na Pinacoteca de Botucatu. Foto Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.