Cidades próximas de 500 mil habitantes mantêm qualidade de vida no interior
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cidades próximas de 500 mil habitantes mantêm qualidade de vida no interior

José Tomazela

01 de setembro de 2020 | 17h58

Três cidades do interior de São Paulo caminham para meio milhão de habitantes ostentando indicadores elevados de qualidade de vida. São José do Rio Preto, Jundiaí e Piracicaba são exemplos da pujança do interior, mesmo durante a pandemia do coronavírus. “São cidades com quase todos os recursos urbanos da capital, mas que ainda conservam características importantes do interior, como o baixo índice de violência, boas condições de emprego e moradia, além de mobilidade fácil”, afirma o urbanista Ivan Maglio.
Os três centros urbanos registraram crescimento sustentável nos últimos dez anos. Rio Preto chegou a 464.983 habitantes, segundo estimativa divulgada no final de agosto pelo IBGE. O crescimento foi de 13,8% em relação à população de 2010, quando eram 408.258 habitantes. “Crescemos um pouco mais que a média do estado de São Paulo, mas a qualidade de vida foi mantida, atraindo pessoas que buscam uma cidade moderna e acolhedora para viver”, disse o prefeito Edinho Araújo (MDB).

Parque da Represa, cartão postal de Rio Preto. PM SJRP/Divulgação.

Jundiaí passou de 370.126 moradores em 2010 para 423.006 agora, crescimento de 14,2% – a cidade está mais próxima da capital. “Jundiaí busca se posicionar como uma cidade global, que compete em condições de igualdade com qualquer outra localidade do mundo”, afirma o prefeito Luiz Fernando Machado (PSDB).
Em Piracicaba, o crescimento demográfico foi de 11,7% nesses dez anos, passando de 364.571 habitantes para os atuais 407.252 moradores. O prefeito Barjas Negri (PSDB), destacou os investimentos em pavimentação, calçadas e acessibilidade, dando mais segurança a pedestres, ciclistas e motoristas e melhorando a qualidade de vida. “Nunca é demais sentir orgulho de nossa cidade.”
Os três centros urbanos apresentam bons indicadores sociais. Piracicaba ficou em primeiro lugar em educação, entre as 100 maiores cidades brasileiras avaliadas pela Macroplan, reconhecida empresa de consultoria em gestão. Rio Preto ficou em segundo lugar e Jundiaí, em quinto. A cidade de Rio Preto conseguiu o bicampeonato – 2019 e 2020 – no programa Município Verde Azul do governo estadual, pela qualidade da gestão ambiental.
No ranking do saneamento básico do Instituto Trata Brasil 2020, Rio Preto ficou em quarto lugar entre as 100 maiores cidades brasileiras, praticamente junto a Piracicaba, em sexto. Na 23.a posição nesse índice, Jundiaí ocupou o primeiro lugar no critério de esgoto tratado.
Nas três cidades, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), um dos principais indicadores mundiais de qualidade de vida, é considerado alto. Jundiaí, no entanto, se destaca com IDH muito alto – o quarto maior do Estado, enquanto Rio Preto é o 28º e Piracicaba o 50º entre os 645 municípios paulistas.
Os cuidados ambientais se refletem nos atrativos paisagísticos das três cidades. A reserva biológica da Serra do Japi é o maior patrimônio natural de Jundiaí e um exemplo de preservação ambiental que orgulha os moradores. Em Rio Preto, o Parque da Represa Municipal é considerado o cartão postal que encanta os visitantes.
Piracicaba tem como grande atração o parque Beira Rio, extensa região arborizada à margem do Rio Piracicaba, com sua cachoeira cantada em prosa e verso. Na outra margem, o parque do Engenho Central, antiga usina de açúcar e álcool, é um dos mais belos cenários naturais e arquitetônicos paulistas.

Jundiaí se destaca pelo desenvolvimento sustentável. Foto PMJ/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: