Baleia-jubarte de 7 metros é rebocada após morrer em canal de Ilhabela
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Baleia-jubarte de 7 metros é rebocada após morrer em canal de Ilhabela

José Tomazela

26 de julho de 2021 | 18h36

Uma baleia-jubarte de sete metros de comprimento foi encontrada morta, neste domingo, 25, na entrada sul do canal de Ilhabela. Pescadores e turistas que avistaram o cetáceo boiando acionaram a equipe do projeto de monitoramento das praias da Bacia de Santos, do Instituto Argonauta.
O animal foi removido do local, onde poderia oferecer risco para embarcações, e levado para o costão do São Pedro. Em seguida, optou-se por rebocar a baleia até a Praia de Barreiros e promover o enterro da carcaça no local, com auxílio de uma retroescavadeira.
A equipe do Instituto Argonauta fez a necropsia do animal e colheu amostras para identificar a possível causa da morte. As análises devem indicar também os hábitos alimentares do espécime. O local do enterro será demarcado para possíveis pesquisas futuras com o uso da ossada.
A praia foi escolhida por ser um local de fácil acesso por mar e sem residências próximas. A vala foi aberta na parte mais alta da praia, fora do alcance da maré cheia. Equipes da prefeitura deram apoio ao trabalho de enterro do animal marinho.
A presença de baleias-jubarte na região de Ilhabela tem se tornado frequente em razão do aumento populacional desses cetáceos. De julho a novembro, exemplares da espécie migram das águas geladas da Antártica para as águas quentes da costa brasileira a fim de se reproduzirem. Ilhabela está no percurso das baleias.
Neste ano, elas chegaram em maior número. “Como esse aumento é recente, estamos tentando entender onde e quando problemas como atropelamentos por navios e encalhe em redes de pescadores podem acontecer para poder ajudar a evitá-los”, disse o oceanógrafo Hugo Gallo Neto, presidente do Instituto Argonauta.

Baleia-jubarte de 7 m foi achada morta em canal de Ilhabela. Foto PMI/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.