Após resgate em árvore, onça-parda sobrevive a atropelamento em Marília
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após resgate em árvore, onça-parda sobrevive a atropelamento em Marília

José Tomazela

02 de novembro de 2020 | 17h47

Um dia depois de ser resgatada do alto de uma árvore e solta na natureza, uma onça-parda jovem foi atropelada por um carro, em uma rodovia de Marília, na noite deste domingo (1). O felino, que tem cerca de três anos e pesa 40 quilos, sofreu ferimento em uma das patas e precisou de internação. O animal se recupera no Hospital Veterinário de Botucatu e não corre risco de morrer.
A saga da onça, também conhecida como suçuarana, começou no sábado, quando o felino subiu no pé de manga de uma chácara, na zona sul de Marília. Acionado pelos moradores, o Corpo de Bombeiros teve muito trabalho para resgatar o animal. Com o auxílio de uma veterinária, eles armaram uma rede sob a copa da mangueira e dispararam dardos para sedar o felino.
Após o resgate bem sucedido, a onça-parda foi levada para uma área de matas da região. Já na noite de domingo, os bombeiros foram avisados do atropelamento de uma onça na rodovia que liga a cidade de Garça a Alvinlândia, próximo de Marília. A equipe constatou que se tratava do mesmo felino retirado do alto do pé de manga.
No hospital, a onça-parda está sendo tratada com antibióticos e deve receber alta em uma semana. Quando isso acontecer, os veterinários irão avaliar sua possível soltura em outra mata da região.
O resgate de onças-pardas em áreas urbanas e após acidentes em rodovias tem se tornado comum no interior de São Paulo. Os biólogos atribuem a presença desses animais em cidades à destruição de seu habitat original – áreas de matas mais densas – e aos incêndios florestais. Além de tornar o felino mais vulnerável, o desmatamento reduz a oferta de presas para a alimentação desses carnívoros, que migram para a borda das cidades para predar pequenos animais domésticos.

Onça-parda recebe atendimento após ser atropelada. Foto Bombeiros/Divulgação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.