As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vai tomar no supermercado!

Haisem Abaki

14 Março 2015 | 13h58

A palavra “lista” parece ter entrado mesmo para a lista de palavras mais escritas, faladas, ouvidas e comentadas nesses últimos tempos. Virou um bombardeio de lista pra todo lado. Tem a lista da roubalheira, a lista das contas na Suíça, a lista das empreiteiras mui amigas, a lista das medidas econômicas, a lista de ministros (essa eu duvido que alguém saiba de memória), a lista de razões para os protestos, a lista de motivos dos protestos contra os protestos…

É lista pra mais de quilômetro, praticamente uma ficha corrida. Só eu já escrevi a palavra “lista” dez vezes no parágrafo acima. Opa, agora são onze! E quantas mais serão até o fim do texto? Fora as incontáveis vezes em que sou obrigado a falar da lista por razões profissionais. Precisaria de um “data-lista” para um número exato. E tem ainda aquelas pessoas que você encontra depois de um tempo sem ver. Aí, vem pergunta sobre a vida, a família, o trabalho… Até que, “e essa lista, hein?”.

Resolvi dar um tempo na overdose para uma desintoxicação. Pensei nos filmes que quero assistir. Caramba, isso dá outra lista! E ainda tive que incluir o Bob Esponja, por exigência do moleque de casa… Aliás, ele chegou pedindo coisas pra um trabalho da escola. E eu achando que a lista do material já tinha acabado…

Levei a imaginação para os livros que pretendo ler, mas desisti pra não ter que encarar outra lista. Liguei a TV e me vi diante de mais uma lista: a de possíveis assassinos do Comendador. Agora já dá pra contar que o sujeito de preto morreu, né? E deixou um monte de herdeiros na lista imperial…

Fui me distrair com um pouco de futebol. Estava lendo o noticiário, contente por finalmente escapar de toda e qualquer forma de lista. Até que surgiu a tentação de ver quais seriam os próximos jogos do Palmeiras no Paulistão. Sou um “listólatra”, eu sei. Preciso de ajuda…

Então me conformei, assumi a fraqueza e fiz a lista do supermercado da semana. Não era muito extensa, felizmente. Chegando lá comecei pela água mineral, já que a de casa, mesmo com filtro, está com um gosto ruim. Alguém aí se lembra das qualidades da água que a gente aprende na escola? Insípida, incolor e inodora. Três itens. Já dá uma lista…

Uma garrafa de um litro e meio a R$ 1,45. Peguei 12. Total: R$ 17,40. Fui ao leite. Só precisava de seis. Cada caixa a R$ 1,98 = R$ 11,88. Depois foi a vez da batata. O cartaz avisava: “Batata Lavada – R$ 3,99/kg”. Peguei umas poucas, pequenas, com a consciência pesada por causa da palavra “lavada” em tempos de crise hídrica… Deu pouco mais de um quilo e meio = R$ 6,22. Ao lado estava a cebola, a R$ 3,59. Apenas seis = R$ 1,53.

E veio o pior. Tomate a R$ 7,79 o quilo! Só meia dúzia, vai… = R$ 4,04. Depois uma bandeja com 20 ovos = R$ 8,98. Um quilo de peito de frango = R$ 13,90. Mais um quilo de coxas de frango = R$ 7,49. Fiquei feliz por ter uns filezinhos no freezer e nem quis ver o preço deles.

Mais aliviado ainda, passei direto pela fila do açougue. Também não precisava de nada ali, mas deu tempo de ouvir a turma reclamando dos preços. Uma senhora dizia que a alcatra a R$ 17,90 o quilo não era “tão promoção assim” como berrava o homem do facão. Ainda olhei pra trás pra ver se o Tony Ramos aparecia e nada…

Nos achocolatados, o da “energia que dá gosto” estava a R$ 5,89 e o do “sabor que alimenta” a R$ 5,68. Não é difícil saber qual o turco levou. Fui para outro pó, o do sabão do “porque se sujar faz bem” = R$ 7,48 e em seguida quase me enrolei com tantas “ofertas” de papel higiênico. Fiquei com o pacote de 12 rolos a R$ 13,39, apesar de achar que os cartazes garrafais com 16 unidades por um pouco mais estivessem me chamando de burro.

Parti para a reta final das compras com mais umas coisinhas aqui e outras ali, sem nada de supérfluo. Total = R$ 210,27!!! Peguei o cartão ainda olhando para a pequena lista de itens ticados e tive a clara sensação de que aquele pedacinho de papel estava rindo por me fazer tomar (um prejuízo) bem no meio do supermercado.

Na volta pra casa, o Rádio continuou a despejar uma lista de notícias sobre a lista. Já estamos tomando há muito tempo… Eu devia ter aproveitado a promoção da alcatra… É aquela peça que vem da parte traseira do bicho, entre o lombo e a coxa. Fica perto do bolso…