As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um homem valoroso

Haisem Abaki

25 de fevereiro de 2013 | 12h02

Publicado pela 1ª vez em 30/03/2010
No mesmo dia em que os senhores do dinheiro na cueca, na meia, na mala e na bolsa prestavam depoimentos em Brasília, cheios de fantasias, um homem distante de escândalos mostrava o seu real valor.
Ele quase não ganhou destaque no noticiário das últimas horas, que dedicou tempo e espaço a dois engolidores de panetones. Um ficou em silêncio diante das acusações e o outro deu explicações que não estão no gibi. Então, vamos fazer justiça e dar crédito a quem merece ser reconhecido pelos relevantes serviços prestados há décadas, incansavelmente.
Trata-se de um homem incomum, que sempre se preocupou em socorrer o próximo sem segundas intenções. Ele teve todas as condições para ficar rico e não faltaria lugar para esconder a fortuna.
Poderia guardar tudo na cueca vermelha, nas botas também vermelhas ou na capa igualmente vermelha. Teria ainda a opção de ocultar a dinheirama debaixo da roupa azul coladinha ao corpo ou no fundo falso do cinto amarelo.
Para o bem da humanidade, nosso herói não fez nada disso. Mas ontem, finalmente, veio a recompensa. Um colecionador pagou um milhão e meio de dólares pela revista número um do Super-Homem, lançada há 72 anos. Este sim, honra a cueca que veste!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: