As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Trombadas perigosas (ou não)

Haisem Abaki

18 de outubro de 2013 | 23h17

Todos os dias, em razão da minha opção de ter deixado de ser um “carrólatra”, me transformo em passageiro no Terminal do Tietê. É um lugar onde tem muita gente que anda sem olhar pra frente e vira repentinamente para os lados sem dar seta. Os riscos de colisão frontal, lateral e atropelamento por malas são mais certos do que os horários de partidas e chegadas.
Já faz tempo que “ando querendo” falar sobre isso. Todas as atenções estão voltadas para a palma da mão e não se enxerga nada que esteja a mais de um palmo do nariz. O grande culpado é o celular, aquele aparelhinho que também serve pra fazer e receber ligações.
Uma vez, um sujeito com jeitão de ônibus-leito veio na minha direção com os olhos fixos no visor do brinquedinho. O cara carregava uma mochila, uma bolsa do tipo tiracolo e um violão. Não faço uma descrição melhor porque não sou detalhista. Parecia que o rapaz tinha combinado um encontro e se comunicava com alguém por torpedo ou por um desses aplicativos de bate-papo. Andava digitando e se virava para um lado e para o outro à procura de sabe-se lá quem.
Tentei desviar para um canto e quase levei uma “mochilada”. Fui para o outro e a “bolsada” passou perto. Então, resolvi esperar a definição do “adversário” para não correr o risco de tomar uma “violonada”. O desajeitado indeciso percebeu a situação e soltou um “foi mal”, que eu respondi com o polegar levantado em sinal de “positivo”. Nada de falar com estranhos…
Mas deu vontade de perguntar se o cara precisava de mais espaço naquele terminalzinho e se eu estava atrapalhando alguma coisa. E ele seguiu em frente, como se fosse a única alma presente ali, o senhor do pedaço. Ainda bem que foi passageiro. E tchau.
Poucos metros adiante, sem querer, sem querer meeeeesmo, vi uma garota sedan versão completa, com todos os itens de fábrica e mais alguns acessórios. Também veio na minha direção sem tirar os olhos do celular. Carregava uma bolsa que aqui vou chamar de “bolsa de mulher” e puxava uma mala lilás com rodinhas. Estava com calça jeans justa (o mundo precisa de pessoas justas), uma blusinha bem feminina que aqui vou chamar de “blusinha bem feminina branquinha” e uma jaqueta marrom, que combinava com as botas da mesma cor. Só não faço uma descrição melhor porque não sou detalhista e não reparei direito na moça.
Aquelas mãos delicadas com unhas pintadas de vermelho que mal consegui notar estavam ocupadas. A direita digitava no celular e a esquerda puxava a mala. Ela também parou de repente e começou a virar para os lados, como se estivesse procurando alguém.
Num primeiro momento, quase levei uma “bolsada”. Depois, as rodinhas da mala deslizaram perigosamente rumo aos meus pés. Então, resolvi esperar a definição dela, “tadinha”. Não se pode tratar uma pessoa que cruza o seu caminho como “adversária”. A gente precisa entender que “a ser humana” às vezes passa por dificuldades. É absolutamente normal…
Docemente indecisa, ela percebeu a situação, sorriu e soltou um “ai, desculpa”, que eu respondi com um “não tem problema, fica tranquila”. O planeta está carente de mais diálogo. Um gesto pode ser mal interpretado… As pessoas não conversam mais…
Deu vontade de perguntar se ela precisava de ajuda e de mais espaço naquele terminalzinho. Achei que eu estava atrapalhando e dei caminho. Gentileza é outra coisa em falta… Sempre pensei assim… E a moça seguiu em frente, como se fosse a única alma presente ali, a dona do pedaço. E não é que não tinha mais ninguém lá? Nunca havia visto aquele lugar tão vazio. Ah, como a vida é passageira… Passageira até demais… As pessoas precisam se importar mais com o bem-estar das outras. Será que a viagem foi boa? Chegou bem? Então, tchau. Tchau, então… É, talvez eu leve uma “bolsada” depois dessa, mas não vai ser no Terminal do Tietê…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.