As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Senhores do barulho

Haisem Abaki

25 de fevereiro de 2013 | 11h54

Publicado pela 1ª vez em 18/03/2010
Vereadores laboriosos da cidade de São Paulo trabalharam em silêncio para aprovar uma lei do barulho. Longe dos decibéis que incomodam tanta gente, eles não deram ouvidos às reclamações de quem só quer o direito de ter uma noite de sono.
Sem fazer alarde e representando um alto volume de interesses, deram uma bela afrouxada na lei do silêncio urbano. Agora, o denunciante vai ter o nome exposto como serviço de alto-falante.
Em defesa da transparência que certamente praticam, acabaram com a denúncia anônima da barulheira. Identificação, endereço e telefone do incomodado que não se muda agora são obrigatórios.
Nossos dignos representantes também decidiram promover a política da boa vizinhança, ao levar o denunciado para acompanhar a fiscalização na casa do chato que não dorme com um barulho daqueles.
E como se a mordaça não bastasse, transformaram as multas que variavam de 4 mil a 17 mil reais em um sussurro de 500 a 8 mil reais. A prefeitura ainda vai tentar derrubar a lei na Justiça, mas não tem problema. Logo, logo os senhores do barulho vão aparecer para pedir votos e trombetear suas realizações. O negócio é responder de maneira retumbante: Psiu, quietos! Os ouvidos deles vão doer com tamanho estrondo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.