As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Politicamente correto, certo?

Haisem Abaki

25 de fevereiro de 2013 | 14h28

Publicado pela 1ª vez em 31/05/2010
Empresas de vários segmentos estão descobrindo um novo mercado. É a ética. Sim, a ética é politicamente correta e ainda pode dar lucro. É só prestar atenção para ver e ouvir que já há campanhas em andamento.
Fabricantes de cigarros e bebidas pregam o consumo consciente e o combate à pirataria e à sonegação de impostos, que podem fazer mal aos cofres públicos e até à saúde (!) dos consumidores.
Também tem banco e administradora de cartão ensinando a gastar com moderação para não cair nos juros pornográficos e no crédito rotativo, aquele que roda, roda, roda e deixa o coitado do devedor tonto até cair.
Isso sem contar a crescente preocupação com o meio ambiente, traduzida em outra palavra que está na moda: sustentabilidade.
Tudo isso, além de honesto, é muito bom para o mercado de trabalho. Já pensou como seria a contratação se não houvesse esse tipo de cuidado? Na indústria de cigarros, um candidato fumante levaria vantagem. O cara poderia até ganhar o emprego na tosse ou no pigarro!
Na fábrica de bebidas alcoólicas, o sujeito interessado numa vaga teria que fazer o teste do bafômetro. Quanto mais alto o teor etílico, mais qualificado seria para a função!
Endividados e gastadores compulsivos também poderiam vestir a camisa e trabalhar em instituições interessadas somente no lucro acima de tudo.
Ainda bem que os tempos estão mudando, mas… dá pra tomar uma antes?

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: