As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Papéis trocados

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 19h57

Publicado pela 1ª vez em 29/10/2009
Um shopping da cidade de Natal resolveu fazer uma promoção interessante. Nada de descontos mirabolantes, promessa de juro zero ou distribuição de brindes.
O negócio é entre os funcionários mesmo. Eles foram convidados a participar de um sorteio para trocar de papéis. Daí para gerente virar faxineiro foi um pulo.
Os organizadores dizem que o objetivo foi mostrar o potencial de cada um e fazer cada empregado conhecer um pouco das dificuldades do outro.
A iniciativa é muito boa e bem que poderia ser ampliada para outros setores. O sujeito que joga lixo na rua, por (mau) exemplo, poderia passar um dia com a vassoura na mão para deixar de ser sujão.
O pichador audacioso poderia passar um dia com água, sabão, escova e pincel na mão para aprender a não destruir o patrimônio público ou privado.
O aluno que desrespeita o professor poderia passar um dia na frente da lousa, tentando ensinar gente desinteressada e mal-educada.
O político que mete a mão em verbinhas, auxílio-paletó, auxílio-moradia e passagens aéreas poderia passar um dia como catador de papelão que encontra um dinheirão e decide devolver tudo.
Não, pensando bem, é melhor não fazer esta última troca. Seria mais um papelão. As cuecas já não agüentam mais tanta esculhambação. As coitadas suportam caladas, mas qualquer dia desses vão colocar tudo para fora!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: