As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Paixonite radiofônica aguda

Haisem Abaki

27 de setembro de 2013 | 11h12

Esta semana, talvez por causa do Dia do Rádio, me bateu uma saudade danada de pessoas que não posso mais ouvir. A não ser que consiga ir para o céu um dia e arrumar uma vaguinha na emissora que devem ter montado lá.
Acho que fiquei sob algum impacto das boas lembranças, que viraram sonho à noite. Muíbo Cury e Lourival Pacheco eram os locutores dessa rádio celestial, mas ao despertar não consegui me lembrar das notícias, só das gargalhadas.
No sonho, o Muíbo, como sempre fazia nos nossos plantões de sábado na Bandeirantes, chegava acenando e dando um bom dia maroto, cheio de duplo sentido. “Bum dinha, bum dinha”. E o Lourival, fingindo ser mal-humorado, respondia com o bordão característico, carregado de “erres”. “Mas porrrrrrrrrra!”.
Eles se preparavam para ir ao estúdio onde estava Antonio Carvalho, com aquele vozeirão, mas falando mansamente como de costume. O Carvalhão repetia que “o ser humano ainda é uma criança”. Depois, ao passar o microfone para o Muíbo e o Lourival, se despedia desejando “que o dia de hoje seja melhor que o de ontem e pior que o de amanhã, porque a vida é um eterno para frente e para o alto, não tem para trás”.
Mais tarde, numa mistura de gêneros radiofônicos, vi e ouvi Hélio Ribeiro e Joelmir Beting. O Hélio traduzia uma música, que acordei sem saber qual era, enquanto o Joelmir, de camisa polo verde, fazia caretas para tentar desconcentrá-lo.
Quando o Hélio terminou, foi dar uma voltinha no corredor e deixou o Joelmir no estúdio lendo um comentário econômico escrito à mão, mas a conta era a dos pontos que faltavam para o Palmeiras voltar para a Série A.
Ninguém interagia comigo. Era como se eu não estivesse lá. Mas de repente o Hélio veio na minha direção, perguntou que notícia eu tinha pra falar e deu um sorriso de canto de boca, dizendo um “eu gosto de falar o seu nome”, seguido de uma breve pausa. Era a paradinha para a entonação solene e soltar um “Haisem Abaki”.
Foi quando acordei, com a mesma tremedeira que tive na primeira vez em que ele me chamou ao vivo. Eram três da madrugada e ainda me restava quase uma hora de sono. No caminho para o trabalho, como ainda não tinha sido convocado pra ser apresentador na rádio do céu, imaginei como o meu pai me ensinou a gostar desses caras. E de outros, que para minha alegria estão muito vivos e ainda posso ouvir. Pensei em escrever uma crônica, mas não sabia exatamente o conteúdo. Queria de alguma forma dizer que acredito que o rádio precisa ser feito “de gente para gente”, de um jeito bem pessoal mesmo.
Ainda não tinha ideia de como explicar isso quando tocou o telefone. Era o professor Manuel Carlos Chaparro, da ECA-USP, me avisando que um bate-papo que gravamos já estava disponível. Fui ver e achei que não precisava escrever mais nada. A paciência do professor Chaparro e a benevolência da análise dele me permitiram uma crônica falada. Quem quiser, pode conferir neste link: http://oxisdaquestao.com.br/colunas-integra.asp?col=4&post=598. Será que dá pra aproveitar alguma coisa na rádio dos meus amigos no céu? Só uns trechos pra eu poder entrar na programação enquanto não chego lá…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: