As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O mundo fashion aos meus pés

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 15h01

Publicado pela 1ª vez em 20/09/2008
Depois de muito tempo, um problema crônico que tenho desde criança voltou a se manifestar. Nunca achei que estivesse curado, só pensei que o quadro estava sob controle. Acabei descobrindo que a idade nos faz aceitar certas coisas, mas não nos deixa suficientemente imunes contra as recaídas.
A minha aconteceu numa tarde de sexta-feira, depois de ver, inconsolável, que um velho companheiro já não era mais o mesmo. Abri a sapateira e fiquei triste ao observar o pé direito do meu querido par de sapatênis rasgado. Pensei em levá-lo com urgência ao sapateiro, mas minha consultora para assuntos do mundo fashion deu a notícia que eu não queria ouvir:
– Isso não tem mais jeito, não… E olha que o pé esquerdo também não está lá essas coisas.
Resolvi deixar os dois quietinhos, num canto. Nada de jogá-los fora, apesar de não ser apegado a bens materiais. Mas o fato é que aquele impacto me fez ver que era hora de saber se estava curado ou se começaria tudo de novo. Não sei o nome clínico do mal que me atormenta, mas chamo o incômodo de “lojite aguda”. É isso. Fico impaciente quando tenho que ir a uma loja para comprar roupas e calçados. Não consigo ficar muito tempo nesses lugares e sempre preciso de companhia.
O problema é que estar junto com alguém nem sempre resolve. Minha mãe que o diga. Eu não gostava de nada e só ficava pedindo para ir embora. Minha chatice aumentava ainda mais quando ela tentava me convencer com uma frase pronta:
– Mas está na moda!
Não foram poucas as vezes em que saí correndo ao ouvir o tal argumento. De volta ao presente, pedi a minha consultora para assuntos do mundo fashion que me acompanhasse em busca de um novo par de sapatênis. Ela é sempre muito atenciosa, carinhosa e paciente e conhece os meus gostos e desgostos.
Gastamos sola de sapato por mais de uma hora. Entramos em três lojas e minha síndrome logo se manifestou. Primeiro, gostei de um modelo, mas não apreciei a cor. Depois, gostei da cor, mas não apreciei o modelo. Em seguida, me interessei por outro, mas deixei de lado ao ver o preço. A desculpa oficial só não foi essa porque havia uma frase incompreensível no calçado. Com exceção da marca, não gosto de nada escrito em roupas e calçados, principalmente quando não entendo o significado.
Os vendedores traziam caixas e mais caixas. Um deles, coitado, pronunciou sem saber duas frases que fizeram despertar em mim a incontrolável vontade de ir embora:
– Esse está na moda…
– Esse modelo está tendo muita saída…
Aos poucos, outros vendedores e clientes começavam a olhar para nós e minha doce consultora para assuntos do mundo fashion percebeu que aquilo não ia dar pé. Tínhamos outros compromissos e demos no pé sem levar nada. Cada um foi para um lado. Percebi uma certa decepção no rosto dela e achei que era hora de enfiar o pé e chutar meu problema para bem longe.
Depois de um bate-papo gostoso com um amigo, na padaria, segui em passos firmes e decididos para o shopping. Olhei com determinação para a vitrine e pedi três pares ao vendedor. Ele apareceu com as três caixas e me concentrei para não desviar o foco. Experimentei, olhei para o espelho e mesmo em dúvida, falei com voz decidida:
– Eu quero este aqui, por favor;
Foi exatamente assim, ou quase assim, quer dizer… mais ou menos assim. Está bem, eu vou contar. Na frente do vendedor, liguei para minha consultora para assuntos do mundo fashion e perguntei qual combinaria mais com as minhas roupas, o marrom claro ou o mais escuro.
De volta para casa, tive o total e irrestrito apoio dela:
– É, tá bonito… Tá bom, vai…
Sem dúvida, foi um primeiro passo e espero tomar pé da situação e seguir em frente nessa caminhada. Minha meta é deixar de ser aquele menino birrento que não gostava de usar sapatos especiais para corrigir os pés chatos. Só os pés, gente!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.