As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nada de porcaria

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 16h56

Publicado pela 1ª vez em 30/04/2009
Há dois potentes vírus da gripe suína circulando pelo planeta. Um é aquele que causa febre alta, dores no corpo, tosse e irritação nos olhos. Se não for combatido corretamente, pode até matar. O outro, também perigosíssimo, começa com um sintoma despretensioso, mas que logo contamina todo mundo.
O primeiro sinal é uma frase boba, às vezes só pra puxar conversa:
– Você viu essa tal de gripe dos porcos?
– É.
Ao dar a resposta, a pessoa já está infectada e habilitada a ser transmissora da paranóia. Os mais desesperados veem alguém espirrar e já entram em pânico.
Mas os piores são os despreocupados, que fazem piadinhas e não percebem o contágio pelo vírus do alarmismo. A gracinha geralmente começa com uma referência ao Palmeiras.
Enquanto não se percebe que focinho de porco não é tomada, surgem medidas extremas, como a do Egito, que ordenou a matança de suínos mesmo sem eles terem dado um atchim sequer.
Aqui no Brasil, o ministro da Agricultura já decidiu dar uma resposta à altura: vai convidar o presidente “deeeeeeste país” para comer um porco no rolete. De um jeito ou de outro, sobra para o coitado do animal. Ainda bem que o Palmeiras escapou do abate ontem. Ih, peguei o vírus da bobeira!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.