As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nada a temer

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 20h17

Publicado pela 1ª vez em 24/11/2009
Quem nunca errou que atire a primeira pedra! Não julgues para não ser julgado! Errar é humano, perdoar é divino! Estas são algumas das frases preferidas nas sagradas escrituras do parlamento deeeeeste país.
Vinte e cinco deputados suspeitos de se desgarrar do rebanho para enfiar a mão onde não deviam podem receber penas alternativas dependendo do caso, talvez, quem sabe, sei lá, vamos ver, nem tanto, mais ou menos…
Nada de dente por dente ou olho por olho com a cassação de mandatos porque não foi tão grave assim. Foram só umas notas friazinhas para justificar gastos inerentes à tão nobre função.
Uma pequena penitência resolve o problema. Poderia começar com uma oração: “Contribuinte nosso que só leva chapéu, santificado seja o vosso bolso, venha a nós o vosso dinheiro, seja feita a nossa vontade, assim na verba como nas viagens de graça pelo céu. O bolão nosso de cada dia nos daí hoje, perdoai-nos as nossas expensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem enchido, e não nos deixeis cair em cassação, mas livrai-nos do pau. Amém”.
É só repetir 1-7-1 vezes para ganhar o perdão. Pelo que disse o todo-poderoso comandante do parlamento, não há o que temer!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: