As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mães (quase) sempre têm razão

Haisem Abaki

08 de maio de 2015 | 14h20

Leve um agasalho, coma tudo, vá tomar banho, já é hora de dormir, diga por favor e obrigado, respeite os mais velhos, não bata no seu irmão, não converse com estranhos… Mães são os seres mais óbvios e necessários na repetição diária de tudo o que a gente sabe que precisa fazer, mas quer deixar pra depois.

Cansei de ouvir essas frases, no começo em árabe e depois em português. Tortura bilíngue… Como eu nem sempre obedecia, às vezes vinha a punição: ficar de castigo atrás da porta. Só que quando ia para lá cumpria a pena sem reclamar. Um dia, fiquei um tempão naquele cantinho e só fui descoberto na hora em que ela foi passar a enceradeira. Recebi um carinhoso “tadinho”, outra reação típica de mães duronas de coração mole.

Mas aos poucos você vai largando a mão dela na rua e começa a se libertar da obrigação de prestar atenção na ladainha e seguir todos os conselhos. É quando a gente acha que virou gente e já sabe de tudo aquilo.

Não sei exatamente qual foi a ordem da minha rebeldia. Acho que comecei descumprindo o “não converse com estranhos”. As crianças da rua tinham medo de um mendigo que ficava na praça. Eu também, mas a curiosidade superava o temor imposto pelos adultos e eu queria puxar papo com o sujeito. E sempre era reprimido pela superproteção ao bebê, tchu-tchu-quinho da mamãe.

Agasalho? Nunca fui friorento. Comer tudo? Beterraba não. Até hoje (blah). Arroz doce também não, pô!  Banho? Ah, tinha uma hora que enchia o saco mesmo. Mas eu mudei nesse quesito, tá? Dois por dia, só pra deixar bem claro. E mamãe nem precisa mandar.

Dormir cedo? Isso sim. Quando eu chegava no dia seguinte sempre ia dormir cedo… Por favor e obrigado? Sou assim até hoje. Devo ser o orgulho dela, então. Respeitar os mais velhos? Tô dentro ainda, apesar de agora eu já ser o velho que “merece” respeito. Não bater no meu irmão? Só ficou a saudade dele, que se foi…

Mas meu grande ato de contestação foi o desejo de ir ao comício das Diretas-Já, em 1984. Já era “gente” e tinha 19 anos, caramba! Pois ela falou que não. O motivo? Era “perigoso”. Meu pai fez um p… discurso inflamado em defesa da democracia! Muito legal… Eu achando que estava liberado e veio um “mas respeita a sua mãe que ela tem razão”. E não fui…

Hoje, modestamente como pai, condição infinitamente inferior à de mãe, me vejo repetindo os mesmos trololós para a mocinha e o rapazinho lá de casa. Bem, sou agradecido por todos os conselhos e repreensões com que fui premiado e peço aos meus filhos: por favor, me desobedeçam de vez em quando…

E comecem, aos poucos, conversando com estranhos. Tomando cuidado, mas sem se proibir de conhecer gente bacana que aparece no seu caminho sem você saber o motivo. Eu vivo isso a cada dia e recomendo, com moderação… Moderação nada. É muito bom encontrar alguém nos “acasos” da vida e sentir que parece relação antiga, desde a infância. É tão inexplicável como coração de mãe.

É isso e pronto! Penso que todas as experiências devem ser vividas e bem aproveitadas. Quase todas… Beterraba e arroz doce não dá, né, mãe? Mães não se convencem dessas coisas…

Tendências: