As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Engordando o sono

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 16h28

Publicado pela 1ª vez em 23/03/2009
A Ciência acaba de comprovar algo que parecia óbvio: dormir pouco faz mal à saúde. A grande descoberta é que uma boa noite de sono ajuda a emagrecer porque libera mais doses do hormônio da saciedade e menos do danado hormônio da fome.
Em outras palavras, quem tem um sono tranquilo e reparador não assalta a geladeira! O problema é que a loucura do dia a dia vai sempre para a cama com a gente e fica puxando o travesseiro e o cobertor.
Como estamos numa segunda-feira, que é o Dia Nacional da Dieta, é bom pensar nisso e dar o primeiro passo na direção da cama. Nada de comidas pesadas, sobremesas suculentas e cafezinho à noite. Em vez de abrir a boca pra essas gostosuras, faça ginástica labial com boas bocejadas.
Assuntos de trabalho e notebook na cama? Nem pensar! Antes a caixa postal cheia do que a barriga cheia! Diminua também o noticiário político à noite para não ter vontade de abocanhar nada. Esse pessoal tem muito apetite.
Se nada disso der certo, o jeito é partir para a contagem. Esqueça os carneirinhos para não despertar a fome de churrasco. Siga uma dessas três dicas infalíveis:
Conte quantas vezes o Ronaldo apareceu correndo, bebendo água, cutucando um companheiro ou coçando a cabeça. Será um sono fenomenal.
Conte até 181, que era o número de diretores do Senado. Antes de chegar ao fim, você já estará dormindo, como eles no trabalho.
Conte quantas vezes o prefeito da sua cidade disse que não haverá mais enchente no próximo verão. O sono chegará feito enxurrada e vai arrastar você.
Viu como é simples? É só fazer isso que o sono será batata. Não, batuta é melhor. No dia seguinte, você vai acordar com bom humor e cumprimentar todo mundo, começando por quem mais gosta. Bom dia, geladeira!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.