As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bom como sempre, meu velho

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 14h52

Publicado pela 1ª vez em 31/07/2008
Acabo de sair de um período de férias muito proveitoso. Dormi bem, aumentei as atividades físicas e, principalmente, dei mais atenção a pessoas queridas. Não vou fazer aqui uma redação sobre o tema porque já passei da idade, mas guardei um momento especial pela simplicidade, que me fez retornar à infância. Começou com uma conversa com um menino de cinco anos que é a minha cara:
– Pai, sabia que eu gosto do José “Seuvélio”?
– De quem?
– Do José “Seuvélio”.
Continuei sem entender porque estava lendo um livro (boa desculpa!) e a irmã do rapazinho, mais experiente e com quase o dobro da idade dele, me socorreu:
– O paiê! É o José Silvério, aquele que grita gol no rádio!
Rimos juntos e nem tive vontade de corrigir o garoto, apenas quis saber o motivo da preferência e ouvi um “porque sim” como resposta, antes de mais uma surpresa:
– Pai, um dia você abaixa o som da televisão e liga o rádio na hora do jogo?
Fiquei impressionado porque era exatamente o que eu fazia quando criança e nunca tinha contado isso a ele.
– Quem deu essa idéia pra você?
– Ninguém…
– Tá bom, quando tiver um jogo a gente faz isso.
Ele passou três dias ansioso, sempre fazendo a mesma pergunta:
– É hoje o jogo do José “Seuvélio”?
-Não, é depois de amanhã…
– É hoje o jogo do José “Seuvélio”?
– Não, é amanhã…
– É hoje o jogo do José “Seuvélio”?
– É hoje, mas só à noite…
Ele passou o dia perguntando se ainda ia demorar. Chegou a hora de Palmeiras e Flamengo pelo Campeonato Brasileiro e resolvi esperar para ver se ele ainda estaria lembrado do pedido.
– Pai, abaixa a TV e põe no José “Seuvélio”.
Com o jogo em andamento, ele começou a perceber algo que quem trabalha em rádio chama de “delay”. É um termo técnico para designar o retardo do som, principalmente nas transmissões via satélite.
– Nossa pai, o José “Seuvélio” é bom mesmo! Ele fala a jogada antes de acontecer, né?
Caí na risada de novo e até expliquei para ele que o som do rádio chega primeiro. Claro que não dei detalhes e no fim acabei concordando com o garotinho. Afinal, com ou sem “delay”, o Silvério enxerga as coisas antes mesmo.
A mãe do torcedorzinho apareceu na sala de repente e viu um ataque do Flamengo na TV.
– Ai meu Deus…
– Calma mãe, o José “Seuvélio” já disse que foi pra fooooora!
Na hora do gol da vitória, segundos antes de a conclusão do lance aparecer na TV, o garoto verdinho já pulava em cima de mim e me abraçava.
Quando o jogo terminou, ele correu para fazer a jogada “xixi, escovar os dentes, oração pra Papai do Céu, beijo de boa noite e por favor me cobre”. Antes de fechar os olhos, a última pergunta:
– Pai, o José “Seuvélio” é velho?
– Por que?
– Ué, o nome dele é José, “seu velho”!
– Ele é mais velho do que o papai, mas não é veeeeeeeelho…
Nem tive tempo de terminar porque o pequeno torcedor já estava dormindo. Percebi então que o “delay” sou eu mesmo.
Acho que o Silvério diria “e que golaço!” para o garotinho e um sonoro “pra fooooora!” para mim. Vou prestar mais atenção no mais novo fã do “Seu Velho” para não chegar mais atrasado no lance.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.