As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A banda largada

Haisem Abaki

24 de fevereiro de 2013 | 18h06

Publicado plea 1ª vez em 23/06/2009
Depois de um longo sinal de espera, caiu a ficha da Anatel. A Agência Nacional de Telecomunicações resolveu agir como se fosse uma Agência Nacional de Telecomunicações e botou um freio no serviço Speedy, da Telefônica, aquele que tem deixado o usuário pra lá de banda.
A atitude de suspender a venda de novos planos até a solução dos problemas de sempre demorou como internet discada. A Anatel esperou muito e ficou vendo a banda passar com os internautas pondo a boca no trombone.
A empresa já reagiu em velocidade de banda larga e promete recorrer para derrubar a medida. Logo depois, fez conexão com uma ameaça, alegando que sem atrair novos clientes haverá uma debandada nos empregos que bondosamente oferece.
Ao consumidor louco pra saltar de banda, resta esperar porque esse mercado é quase exclusivo da Telefônica. Uma troca nem sempre resolve, só abranda. Mas há pelo menos o consolo de não se sentir mais tão abandonado.
Nossos sinceros agradecimentos à Anatel por levantar essa bandeira. Que seja uma solução definitiva e não apenas uma bandagem. Tem gente que é larga mesmo!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: