Raio-X das comemorações São Paulo 460 anos

Geraldo Nunes

01 Fevereiro 2014 | 07h19

Em plena festa de aniversário, paulistanos mostraram o que esperam e pensam da cidade onde vivem e trabalham através de uma pesquisa promovida pela Hibou, uma empresa de monitoramento de mercado que entrevistou 510 paulistanos durante as comemorações dos 460 anos da cidade, entre 24 e 25 de janeiro.

O levantamento revelou expectativas e impressões do paulistano em relação à cidade. Entre os passaram suas impressões, 71% pertencem a uma nova geração que já nasceu na capital paulista e revelou gostar daqui. Desses, 53% disseram se sentir bem em São Paulo mesmo enfrentando todos os problemas que envolvem o trânsito e a segurança. Uma parcela de 35% disse gostar muito da cidade e apenas 1% afirmam não gostar nem um pouco.“Notamos que o paulistano se confunde ao ser questionado sobre algum lugar ou alguma coisa que identifique São Paulo e alguns acabam misturando ícones da cidade com sensações sobre o modo de ser do paulistano”, revelou Lígia Mello coordenadora da pesquisa.

A quantidade de moradores que disseram ser a Avenida Paulista o lugar que mais gostam chegou a 16%, enquanto outros 15% consideram que o mais interessante de São Paulo diz respeito mesmo às pessoas que aqui vivem e a presença delas no convívio social garante a preferência em aqui permanecer. 11% curtem na metrópole sua agitação constante e 8% o caos;  7% a noite com muitas opções de lazer e cultura; 7% o trânsito, 6% o Parque Ibirapuera, 5% o centro da cidade, 4% a diversidade e 2% o abandono.

Paulistanos Conscientes

Questionados sobre a limpeza e manutenção dos monumentos públicos, 73% dos paulistanos entrevistados afirmaram que percebem a falta de higiene e d manutenção na maioria deles. “O morador daqui se mostra preocupado com a preservação da cidade”, diz Lígia Mello, salientando, no entanto, que somente 13% responderam que nunca repararam na má conservação enquanto outros 14% acreditam que nossos monumentos são bem conservados sim.

O Melhor e o Pior de SP

Foi pedido aos entrevistados na pesquisa da Hibou que citassem  até três coisas que consideram o melhor e o pior da cidade de São Paulo. Observou-se que as oportunidades profissionais e o acesso variado à cultura são as grandes forças que a cidade apresenta junto aos paulistanos. Já a violência e o trânsito são os maiores problemas citados, consolidando a posição de uma metrópole com dificuldades para solucionar questões urbanas. A corrupção foi citada apenas por três dos 510 entrevistados.

 São Paulo em 2024

Para finalizar a pesquisa os entrevistados foram questionados sobre como eles acreditam que a cidade estará em 10 anos. A grande maioria, com 71%, acha que o trânsito vai causar um colapso na questão da mobilidade. 45% estão preocupados com os preços que estarão ainda mais altos. 41% acreditam que daqui a uma década muitas pessoas terão deixado São Paulo buscando lugares mais tranquilos. Apenas uma minoria acredita que as pessoas serão mais solidárias e que a cidade será mais sustentável com melhor qualidade de vida. “Os dados nos mostraram que os paulistanos andam descrentes de uma melhoria na cidade, a tendência é de uma São Paulo mais difícil de morar” finaliza Lígia Mello, coordenadora da pesquisa promovida pela Hibou, empresa que estudou a vida e o futuro de São Paulo, no dia em que a cidade completou os seus 460 anos.