O Templo de Salomão e as “mazelas” de agosto

Geraldo Nunes

04 Agosto 2014 | 06h48

O Templo de Salomão, mais novo prédio da Igreja Universal do Reino de Deus está dando o que falar, não só pela suntuosidade, mas pelas opiniões em favor e contra.

A inauguração aconteceu em 31 de julho último com a presença, inclusive, da presidente da República.

Como sabem apresento um programa na Rádio Estadão que vai ao ar nas madrugadas, onde abro espaço aos ouvintes que se comunicam com a emissora pelas redes sociais.

Os elogios ficaram por conta dos que perceberam a valorização do bairro Brás, graças ao conjunto da obra, com a chegada de peregrinos de todas as partes do país, movimentando o comércio e os serviços da região em torno, mas há também críticas.

Outros ouvintes questionam por que só se pode entrar nas dependências desse novo espaço voltado à fé e à oração se for de automóvel ou em um ônibus oferecido pela própria igreja ao custo de R$ 45,00 por pessoa?

Alguns ouvintes enviaram críticas pelo ponto de vista religioso, citando a Bíblia Sagrada que em Atos 17 – 24, diz: “O Deus que criou o Universo e tudo o que nele existe é o Senhor dos céus e da terra e não habita em santuários produzidos por mãos humanas.”

Se levarmos ao pé da letra, não haveria então necessidade de se construir nada para fazer orações.

 Mas como os fiéis se reuniriam sem ter um ponto de encontro que os unisse e os abrigasse do sol ou da chuva?

Como reza o ditado quem discute política, religião ou futebol, jamais chega a um acordo.

 Mas ainda assim permanece uma dúvida em relação ao Templo de Salomão, não teria sido melhor inaugurá-lo no dia 1º de agosto?

Cairia numa sexta-feira e marcaria o início de um novo mês.

Ou será que houve prevenção com relação ao mês de agosto que alguns consideram ser de mau agouro?

Quem faz aniversário em agosto não gosta de ouvir esses comentários.

Recorro ao dito popular que diz ser agosto o mês do desgosto, embora eu não concorde por motivos eu ainda vou explicar.

Os portugueses trouxeram para cá uma lenda a respeito, pois na época das grandes navegações dos séculos XV e XVI, as expedições costumavam partir em agosto porque o vento era mais propício às caravelas.

As pessoas então evitavam escolher esse mês para se casar, porque ficariam sem lua de mel e a possibilidade era maior das mulheres se tornarem viúvas, porque os maridos partiriam em viagem e não se sabia se voltariam.

No Brasil se convencionou dizer que agosto é mês de cachorro louco, por causa dos surtos de hidrofobia nesses animais.

Um ouvinte evangélico livrou-nos, entretanto, de todos os males ao enviar pelo facebook na madrugada de segunda-feira, dia 4: “Agosto será o melhor mês da sua história, você verá Deus agindo na sua vida e as janelas dos céus se abrirão sobre a sua casa, sua família em nome de Jesus”.

Pode ser e sobre agosto há mais o que dizer.

É o prenúncio da primavera, porque algumas árvores reflorescem nessa época, como os ipês. O sabiá laranjeira começa a cantar em São Paulo, já partir mais ou menos do dia 7, confira.

Praticamente todo mundo já tirou férias, certo?  O momento então propicia o início das temporadas de shows musicais, desfiles de moda, teatro, lançamento de livros e vernissages. Atividades mil daqui até o final do ano.

Todo mês de Agosto acontece a Festa de Nossa Senhora Achiropita, uma santa italiana de muitas tradições em São Paulo.

 São mais de 950 voluntários trabalhando durante os finais de semana de agosto pelo bem comum das crianças atendidas na creche paroquial.

 Trinta barracas são instaladas nas ruas 13 de Maio, São Vicente e Doutor Luiz Barreto oferecendo os pratos típicos da Itália, atraindo cerca de 250 mil que a cada noite consomem 12 mil fogazzas durante todo o mês.

 Ah! Não posso esquecer. Em São Paulo quem escolher o mês de agosto para se casar, fugindo dessa crendice que dá azar, costuma pagar 50% mais barato em qualquer serviço.

 Como a procura por casamentos é pequena nesse mês os preços caem bastante, inclusive nos cartórios. Percebem que agosto não tem nada de ruim?

 Nas madrugadas o canal de TV do bispo Edir Macedo, que comanda a Igreja Universal avisa que os interessados em conhecer o Templo de Salomão devem procurar as outras sedes e obter informações.

 No altar há uma réplica da Arca da Aliança, descrita na Bíblia como local em que foram guardados os dez mandamentos escritos por Moisés.

 Nessa construção replicante do Brasil, porém, há dois andares subterrâneos para estacionamento e 1.200 vagas para veículos.

Vai ver que é por isso que ninguém entra a pé no templo paulistano, só de carro ou nos ônibus da igreja.