O salário médio de um professor ainda é baixo em todo o Brasil

Geraldo Nunes

16 de outubro de 2014 | 04h14

Os presidenciáveis discutiram no recente debate da TV Bandeirantes a questão salarial dos professores, mas em todos os Estados, a categoria ainda recebe um salário baixo. Isto se torna claro a partir de uma pesquisa do Grupo Catho que a cada três meses avalia os salários de várias categorias.  A Catho mantém um site que agencia empregos e pelo recente levantamento, percebe-se que ainda se paga pouco ao professor se observarmos a importância que ele tem na vida e no desenvolvimento de cada criança, jovem e adulto.

Ao traçar um raio x das médias salariais por região, surgem diferenças que podem chegar a 77,66% entre um Estado da federação e outro. É o caso do salário médio de Minas Gerais (R$2.675,70) e o do Pará (R$1.506,00). Com a melhor média salarial do país para o cargo de professor, está Minas Gerais e na segunda colocação aparece Mato Grosso, com R$ 2.466,67, seguido de São Paulo (R$ 2.383,18), Amazonas (R$ 2.369,59) e Paraná (R$ 2.365,88). Do outro lado da lista, com as cinco médias salariais mais baixas, figuram Estados como Pará (R$1.506,00), Paraíba (R$1.600,00), Alagoas (R$1.658,14), Bahia (R$1.698,12) e Amapá (R$1.700,00).

Olhando no macro, a região Sudeste figura no topo da lista, com média salarial de R$2.369,59. Na outra ponta, a região Norte oferece salário médio de R$1.658,14 para o professor. A diferença salarial da melhor média regional para a mais baixa pode chegar a 42,90%.  A Catho, informa que contou com mais de 480 mil respondentes em mais de 2.000 cidades do país para a sua pesquisa salarial.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.