Não existe dia “das crianças”. O que se comemora em 12 de outubro é o Dia da Criança

Geraldo Nunes

10 de outubro de 2014 | 11h26

O Dia da Criança é universal, por isso não pode ser “das crianças”, como andam escrevendo e dizendo por aí. Devemos dizer Dia da Criança, no singular, porque na verdade é de todas as crianças.  A data foi criada por iniciativa do Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância que deixou a critério de cada país signatário a escolha de um dia no ano para se comemorar. Ao mesmo tempo o Unicef convencionou uma data aos países que ainda não tivessem, em algum momento, homenageado seus “baixinhos” e a data indicada foi 20 de novembro, mas sugestão não foi adotada em nosso país.

É que no Brasil já havia uma data alusiva à criança criada em 1924, quando um deputado federal, Galdino do Valle Filho, conseguiu aprovar um projeto de sua autoria estabelecendo em lei o dia 12 de outubro para homenagear a criança brasileira. A justificativa do parlamentar foi a inspiração em Cristóvão Colombo que descobriu a América nesse dia, o chamado “continente – criança” por ter sido descoberto tardiamente.

Em vários países o dia da criança também se comemora em datas diferentes à estabelecida pelo Unicef. No dia de natal, 25 de dezembro se comemora o Dia da Criança em toda a África Central, em países como o Congo, Camarões, Guiné, Gabão, Chade, República Centro-Africana, São Tomé e Príncipe. Na Coréia do Sul, é celebrado em 5 de maio, desde 1946.  Antes um educador sugeriu que a data fosse em 1º. de maio e fez campanhas em Seul para isso, mas a data coincide com o dia do trabalho em vários lugares do mundo e não vingou.

Na Rússia e países de linha socialista, o dia da criança é lembrado em 1º. de junho. Na China, inclusive, o 1º. de junho é chamado de “Dia Internacional da Criança”.  Quando o governo da República Popular da China se estabeleceu, em 1949, o Conselho de Estado criou um feriado de meio turno em todas as escolas primárias para homenagear os alunos. Mais tarde foi ampliado para o dia inteiro e a data alusiva aos alunos virou feriado público voltado a criança e as atividades infantis com brincadeiras, corridas a pé e exibição gratuita de filmes, recebendo as crianças e também funcionários civis das áreas voltadas ao menor pequenos presentes do governo.

Na Turquia, 23 de abril é o dia da Soberania Nacional e Dia da Criança. Na ocasião se festeja a abertura da Assembleia Nacional Turca, aprovada em 1920. A designação para o evento como Dia da Criança veio a partir de 1929 e desde 1986 o governo turco organiza um festival de brincadeiras e diversões para a garotada que se constitui no maior feriado cívico da nação otomana. Crianças turcas de outras regiões são levadas à capital Ankara e assumem o lugar dos parlamentares que integram a Grande Assembleia Nacional. Um presidente – mirim e um primeiro-ministro são eleitos e a Turquia é governada por eles durante um dia. O objetivo é enfatizar a importância das crianças na sociedade. Em outros pontos do país, os representantes governamentais também cedem a autoridade simbolicamente às crianças nesse dia. O evento se constitui em uma festa aguardada o ano inteiro por jovens e adultos.

A oficialização da Declaração Universal dos Direitos da Criança, pela Organização das Nações Unidas – ONU e o Unicef foi importante porque estabelece uma série de direitos à criança no mundo inteiro, como o acesso à alimentação, ao amor e a educação. Apesar dos esforços internacionais, no Brasil, o despertar para a existência da data se deu mesmo a partir da metade da década de 1960 quando a Estrela, maior fabricante de brinquedos à época, lançou uma promoção para a boneca “Bebê Robusto”. Mesmo com esse nome esquisito a boneca foi um sucesso de vendas e a partir de então, outras empresas no intuito de aquecer suas vendas abraçaram o Dia da Criança que se de um lado, serviu para obrigar os pais a dar mais um presente aos filhos além dos convencionais do dia do aniversário e do natal, deu outro levou pessoas e comunidades a voltarem suas atenções nesse dia aos orfanatos, às crianças carentes ou deficientes e entidades de assistência ao menor.

Saiba mais sobre essa data ouvindo o programa Estadão Acervo acessando o link: http://radio.estadao.com.br/busca/Acervo

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.