Tucânimos arrepiados

Estadão

05 Fevereiro 2009 | 07h00

Depois da guerra no diretório municipal do PSDB da capital, no ano passado, que culminou na divisão do partido durante a disputa da Prefeitura de São Paulo, há uma tentativa de serenar os ânimos e colocar tudo em pratos limpos. Mas o tiro pode sair pela culatra e aumentar as disputas internas. Está em andamento um recadastramento dos filiados. Hoje são cerca de 45 mil em todos os 50 diretórios zonais paulistanos. E a estimativa é de o número caia para cerca de 5 mil. O recadastramento termina em abril. Quem não participar, prometem os peessedebistas, perde a filiação. Após essa fase começam as articulações para escolher o novo comando do diretório. O presidente terá ampla importância em 2010, na definição dos candidatos às eleições para presidência da república, governador, deputados e senadores. Os próximos episódios prometem fortes emoções. Em tempo: a reeleição do deputado paulista José Aníbal para a liderança do PSDB na Câmara em Brasília rachou a bancada tucana e levou à criação de uma ala dissidente com 19 parlamentares, de um total de 59. Alegam que a recondução ao cargo foi um golpe orquestrado pelo próprio Anibal. A reeleição estava proibida desde 2003, e a regra foi mudada horas antes de Aníbal galgar o posto novamente.