Campanha do desarmamento terá entrega de armas até em posto de saúde

Estadão

28 Setembro 2010 | 13h45

A campanha do desarmamento será permanente a partir de hoje em todo Brasil, segundo o ministro da Justiça Luiz Paulo Barreto. Será articulada pelo Ministério da Justiça e pela Rede Desarma Brasil. As armas poderão ser entregues em igrejas, lojas maçônicas e até postos de saúde. Quem devolver o revólver, carabina ou espingarda que possui, por exemplo, receberá uma indenização, a exemplo do que ocorreu nas campanhas passadas. 

As ações específicas desta nova mobilização começarão em breve. Mesmo assim, diz Barreto, quem quiser devolver uma arma que possui em casa, já pode fazê-lo. “A pessoa pode procurar a Polícia Federal e retirar uma guia, que deve ser preenchida e entregue junto com a arma à PF. A partir daí, será recebida a indenização devida.”

Com a entrega a qualquer tempo de armas por parte da população, espera-se diminuir ainda mais a taxa de homicídios no País. A redução foi de 11% entre 2003 e 2009, segundo o Ministério da Justiça, quando ocorreram duas campanhas do desarmamento.  As estimativas são de que entre um e dois milhões de armas ainda estejam com a população.

Nos últimos anos, cerca de 1,1 milhão de armas foram registradas no país após as duas campanhas. Agora, será intensificada a entrega voluntária – mais de meio milhão foram entregues desde 2005.

Mais conteúdo sobre:

Ministério da Justiçarevólver